Avaliação: Fiat Toro 2022, o que melhorou e o que deveria ter melhorado

Picape evolui em desempenho com motor turbo e em conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos
Por Leonardo Felix
13.05.2021 às 22h:19 • Att. há cerca de 1 mês
Picape evolui em desempenho com motor turbo e em conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

A Fiat Toro reina sozinha no segmento de picapes compactas-médias no Brasil desde seu lançamento, em 2016. Só daqui a um ou dois anos ela começará a ser incomodada por algumas rivais diretas, como a substituta da Chevrolet Montana, confirmada esta semana pela GM, além de VW Tarok e, possivelmente, Ford Maverick e Hyundai Santa Cruz.

O grupo Stellantis não quis esperar para ver e resolveu atualizar o seu produto desde já. Na linha 2022, a Toro ganhou uma nova frente com dois tipos de grade – uma para as versões mais baratas, outra para as duas de topo, Ranch e Ultra –, motor 1.3 turboflex em substituição ao velho 1.8 apirado (exceto na versão Endurance) e novas opções de conectividade.

Consulte o valor do seu carro na Tabela Fipe

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Mas o quanto a Toro evoluiu na prática com essas mudanças? Para responder essa pergunta, a Mobiauto avaliou a configuração Volcano Turbo 270 flex, a mais cara a utilizar o propulsor 1.3 turboflex de 180/185 cv (gasolina/etanol) e 27,5 kgm (com qualquer combustível), aliado sempre ao câmbio de seis marchas da Aisin.

A nova Toro Volcano flex custa R$ 144.990 em boa parte do território nacional, sendo R$ 149.805 no estado de SP, onde a alíquota de ICMS é maior. A pintura Cinza Granite da unidade exibida nesta avaliação cobra outros R$ 2.500. 

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Já o Pacote Tecnologia, que inclui a central multimídia UConnect com tela vertical de 10,1 polegadas, carregador de celular por indução, frenagem autônoma anticolisão, assistente de permanência em faixa e farol alto automático, sai por R$ 3.000. É possível ainda aplicar teto solar por mais R$ 4.000, mas a unidade que experimentamos não tinha esse último item.

Preço: R$ 144.990. Pintura Cinza Granite: R$ 2.500. Pacote Tecnologia Plus: R$ 3.000. Total: R$ 150.490

Leia também: Como nova Chevrolet Montana terá porte de Toro usando cabine do Tracker

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Design e acabamento

A Stellantis renovou o visual da Toro de maneira esperta, a partir de modificações efetivas em apenas dois elementos de estamparia: capô e para-choque dianteiro. O primeiro item recebeu duas faixas proeminentes no miolo, a fim de aumentar a sensação de robustez da picape. O segundo foi remodelado de acordo com as novas grades.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

No caso da versão Volcano, a grade se parece mais com o que era visto no utilitário com caçamba até a linha 2021. No entanto, em seu topo agora há uma saliência que aumenta a largura da peça. Além disso, a régua superior que antes integrava as duas luzes diurnas de LED foi encurtada, criando duas pontas na parte de cima do para-choque.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Por fim, a base do para-choque dianteiro traz novos nichos para os faróis de neblina, contornados por filetes cromados na forma de C, e um falso quebra-mato alargado, aumentando ligeiramente o ângulo de ataque. Na versão que avaliamos, esse aplique recebe acabamento em cromo acetinado. 

Dentro da grade há duas faixas cromadas na divisória horizontal mais alta e também na do meio, que se integram uma à outra contornando os faróis. Dentro delas fica o novo logotipo da Fiat, enquanto a bandeira estilizada da Itália foi arranjada no canto inferior esquerdo da tomada de ar.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Os faróis, por sua vez, são full-LED e aparentam estar mais afilados, mas isso acontece porque há uma sobra no topo da peça, cujo formato é na verdade igual ao do conjunto halógeno da antiga Toro, que continua a ser usado na versão de entrada, a Endurance. A sacada é que as luzes de seta usam agora os mesmos guias do DRL, somente trocando a luz branca pela âmbar.

Leia também: Avaliação: Renault Stepway, o único Sandero a ainda ser 1.6 CVT 

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Toda essa nova disposição visual chegou a assustar alguns internautas quando as primeiras imagens da Toro 2022 sem camuflagem vazaram, mas pessoalmente as soluções agradam e até deixam a picape com um aspecto mais agressivo, embora eu particularmente não a considere mais bonita do que a antecessora.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Esse novo arranjo da grade também deixou a frente da nova Toro um pouco mais bicuda, devido à proeminência das divisórias cromadas e do logotipo. Aqui vale um cuidado especial, porque não há muito espaço entre esses elementos e a ponta do para-choque. Em qualquer colisão frontal, as peças podem ser facilmente danificadas.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Do capô para trás, as únicas novidades são as inéditas rodas de liga leve aro 18 e o emblema Turbo 270 inserido na parte inferior direita da tampa do porta-malas (ainda com abertura lateral e bipartida). De resto, tudo igualzinho a antes, incluindo as lanternas traseiras de LED.

Leia também: Jeep Renegade: os principais problemas, segundo os donos

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Desempenho e dirigibilidade

O propulsor 1.3 T4 da família GSE deu novo fôlego à Toro 2022. Não fosse pela manutenção do velho E.torQ 16V aspirado flex na versão mais barata, a Endurance 1.8 AT6 flex, e poderíamos dizer que a picape deixou para trás definitivamente a fama de manca.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Mas não espere da nova Toro Turbo 270 um desempenho esportivo. A aerodinâmica desfavorável – pela altura, pela largura e pelo fato de ser uma picape, com um caimento abrupto da carroceria na caçamba e ter o peso quase todo distribuído para a dianteira – e o peso elevado, com mais de 1,7 tonelada nesta versão, ainda falam contra.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Assim, o que a nova Toro entrega é um rendimento agradável, condizente com seu porte, sem colar o corpo dos ocupantes ao banco. Tanto que sua aceleração oficial de 0 a 100 km/h fica na casa de 11 segundos. Em modo Sport, o câmbio faz o motor trabalhar a giros mais altos, melhorando as retomadas, mas mesmo nele as respostas do acelerador têm um ligeiro delay. 

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

E o botão TC+, que ativa o bloqueio eletrônico de diferencial dianteiro, como na nova Strada, traz sua serventia para uso em um terreno um pouco mais escorregadio. Isso não significa que a Toro flex esteja apta para o off-road pesado. Seu habitat natural ainda é a cidade.

Motorização e desempenho: 1.3, dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16V, turbo, flex, duplo comando variável de válvulas, comando variável inteligente na admissão, taxa de compressão 10,5:1, 180/185 cv a 5.750 rpm e 27,5/27,5 kgfm a 1.750 rpm (G/E). Câmbio automático, seis marchas. Tração 4x2 dianteira. 0 a 100 km/h em 11,2/11 s (G/E).

Leia também: Novo VW Tiguan ficará assim para encarar Jeep Commander e Tiggo 8 Plus

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

A dirigibilidade continua a ser um ponto forte da Toro. Tanto a direção elétrica quanto as suspensões seguem com os mesmos conjuntos de antes, recebendo pequenas recalibragens para conversar com o propulsor turboflex. 

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Ambos proporcionam uma boa dose de conforto para condução em ambiente urbano, mas a direção, especificamente, eu ainda acho demasiadamente leve e anestesiada. E ela insiste em oferecer alguns rebotes em terrenos mais acidentados, uma característica um pouco incômoda em alguns momentos, mas perdoável no geral.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Até porque as suspensões ajudam a manter um nível alto de conforto, mesmo sobre pavimentos muito irregulares, pois são silenciosas e mantêm a carroceria muito bem assentada nas curvas, com níveis excelentes de controle de rolagem. 

Ao mesmo tempo, os pneus com perfil não muito alto ajudam a deixar o comportamento da picape nem duro demais, nem mole em excesso. E como a estrutura é monobloco, a carroceria não chacoalha como numa picape média. Ponto para a Toro neste quesito.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

A sensação é a de estar dirigindo um SUV com ponto H bem alto, só que com uma caçamba no lugar do porta-malas. Esta, aliás, oferece quase 1.000 litros de volume e 670 kg de capacidade de carga, 20 kg a mais do que a antiga Toro 1.8. Mas não vá achando que o nível de vedação é igual ao de um bagageiro fechado em caso de chuva, mesmo com a capota marítima de série.

Leia também: Fiat Uno deixa só uma versão em linha e sinaliza para a morte

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Outra boa notícia é que a iluminação full-LED da Toro 2022 se mostra bem mais eficiente na parte noturna. Opcionalmente na configuração Volcano há a comutação automática dos faróis, que liga e desliga automaticamente o farol alto dependendo do nível de luminosidade externa ou se um outro veículo está perto, seja no mesmo sentido ou no oposto.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Pena que os freios traseiros ainda sejam a tambor. Com eles, parar a Toro demanda mais cautela e tempo do que se esperaria em um hatch ou sedan, e constatei isso na prática ao ser pego de surpresa por um cão que atravessou a rua correndo na minha frente. 

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Eu só não o atropelei porque, felizmente, ele ouviu o barulho do veículo e desviou, mas a picape mesmo não iria parar a tempo, apesar da interferência do sistema ABS. Um par de discos sólidos na traseira daria efeito melhor numa emergência como esta. Mas, para a sorte do cãozinho e meu alívio, sua audição estava em dia.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Outra questão é que a capacidade de manobra da Toro ainda é ruim. Os 12,2 metros de diâmetro de giro são dignos de picape média e não representam evolução no comparativo com a antiga Toro 1.8 flex. Os tais 5% de melhora anunciados pela Fiat só valem para as versões a diesel. Haja sensores de estacionamento (dianteiros e traseiros) para ajudar...

Dados técnicos: direção elétrica progressiva, suspensões McPherson (dianteira) e MultiLink (traseira), freios a disco (dianteira) e tambor (traseira), 12,2 m diâmetro de giro, Cx não divulgado, 259,7 mm vão livre do solo, ângulo de ataque 25,7°, ângulo central 21,7°, ângulo de saída 28,4°, capacidade de carga 670 kg, pneus 225/60 R18

Leia também: Ford: funcionários demitidos terão indenização mínima de R$ 130 mil

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Consumo e autonomia

Uma das grandes surpresas na ficha técnica da Toro 2022 está nos dados de consumo das versões Turbo 270 flex no Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro. E é uma daquelas desagradáveis, porque os números são inferiores aos da velha Toro 1.8 aspirada nas duas provas com etanol e no teste com gasolina em rodovia.

Isso acontece porque, por mais que o propulsor GSE T4 de 1,3 litro seja auxiliado por turbo e controle variável inteligente das válvulas, o MultiAir, sua capacidade cúbica ainda se mostra baixa para uma picape desse porte. É possível sentir como ele precisa gritar alto para fazê-la sair da imobilidade ou retomar a velocidades mais baixas.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Tal comportamento é também consequência de uma relação de marchas talvez um pouco longa demais para a Toro. É a mesma relação usada pelo Jeep Compass, um SUV menor, mais baixo e mais leve. Com uma relação mais curta, a novo Toro talvez perdesse elasticidade, mas conteria os giros no uso urbano e ficaria, provavelmente, um pouco mais econômica.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Em nosso teste, usando sempre etanol na cidade, o consumo ficou em baixos 5,3 km/l, pior do que a média obtida no Inmetro. Para completar, o tanque de combustível foi reduzido de 60 para 55 litros, a fim de reduzir a vaporização de combustível, que concentra gases poluentes. Ou seja: a autonomia caiu em todos os sentidos. Confira os números oficiais de consumo:

Consumo Inmetro: 6,5 km/l (E) e 9,4 km/l (G) na cidade; 8 km/l (E) e 10,8 km/l (G) na estrada.

Leia também: Por que o Jeep Compass turbo ficou mais econômico e a Toro turbo não

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Conforto, acabamento e espaço interno

Como já dissemos, o nível de conforto durante a condução da Toro é muito satisfatório, e não apenas por causa das suspensões, da direção ou dos pneus. Os bancos são ergonômicos e permitem encontrar facilmente uma posição de dirigir agradável.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Uma das grandes evoluções na cabine da Toro está no alojamento de objetos. A partir da versão Volcano, são 26 litros de volume entre porta-trecos, porta-celulares, porta-copos e porta-luvas, incluindo dois compartimentos fechados abaixo do apoio de braço central e do assento do passageiro dianteiro.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

O acabamento foi atualizado, com direito a uma nova faixa no centro do painel, que nesta versão recebe um acabamento que imita aço escovado, novos revestimentos em couro nos bancos, com o desenho de um touro em baixo relevo no topo do encosto lombar, e uma nova textura para plásticos e cubo central do volante.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Além disso, as guarnições das portas laterais foram atualizadas, com os puxadores das portas dianteiras sendo alterados do canto para o centro do apoio de braço, numa posição mais cômoda de se operar.

Leia também: Pedágio de livre passagem é o fim do Sem Parar? Entenda projeto aprovado

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Todos os elementos estão encaixados de maneira muito precisa, sem apresentar nenhum tipo de rebarba ou desalinhamento. Entretanto, a predominância é de plástico rígido, o que pode decepcionar quem esperava encontrar mais faixas macias ao toque. O mesmo vale para o freio de estacionamento, ainda manual e sem o cada vez mais apreciado Auto Hold. São pecados que não se espera ver cometidos num veículo de R$ 150.000.

Também há limitações na fileira traseira. O espaço para pernas e cabeça não é tão generoso, assim como o acesso das portas, que são curtas. Afinal, ainda estamos falando de uma picape, e não de um SUV, mesmo que com cabine dupla. 

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

A posição do banco é demasiada elevada e ereta, por conta do caimento “chapado” da carroceria rumo à caçamba e pela presença de um túnel central elevado para abrigar a passagem do escapamento e do cardan, nas versões 4x4. Tampouco há uma saída de ar para aquela parte do habitáculo, apenas um porta-celular e uma tomada USB-A.

Dimensões: 4.945 mm comprimento, 2.990 mm entre-eixos, 1.845 mm largura, 1.739 mm altura, 937 litros de caçamba, 55 litros do tanque de combustível, 1.705 kg de peso.

Leia também: Carro elétrico mais vendido no Brasil é um Porsche de até R$ 1 milhão

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Conectividade, segurança e equipamentos

Talvez a área em que a Toro mais tenha evoluído seja em conectividade. A nova central UConnect com tela vertical representa um avanço enorme, porque parece finalmente ter resolvido os problemas de travamento e lentidão do sistema antigo. Mas atenção: ele é opcional na versão Volcano.

A tela possui boa resolução, comandos intuitivos e respostas rápidas, o que é um grande alívio. Durante nosso teste, ela não travou ou apresentou qualquer tipo de falha. Uma grande sacada é que ela opera através de widgets modulares, ou seja, você consegue configurar a tela principal deixando as funções que mais usa acessíveis logo de cara.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Uma dica é reservar alguns bons minutos de seu primeiro dia com a nova Toro para aprender a mexer na extensa lista de atalhos e comandos que a central possui. 

O carregador de celular por indução é ainda mais simples: basta repousar o aparelho no local, sem capa, que a recarga começa automaticamente. Uma luz azul à esquerda do depositório indicará o carregamento. Caso ela acenda na cor vermelha, é porque o aparelho não é compatível com o carregamento sem fio.

Leia também: VW Brasília vira picape insana com motor de caminhão usando só sucata

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Já o quadro de instrumentos não é 100% digital, como se aventou antes do lançamento da Toro 2022. Ele, de fato, possui uma tela TFT colorida de 7 polegadas que concentra velocímetro, conta-giros e todos os dados de viagem, navegação e sistema de áudio. Porém, as luzes-espia e os mostradores de combustível e temperatura do motor ainda são analógicos.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Sua operação é tão intuitiva quanto a da central, através de botões no raio esquerdo do volante. Nas configurações, é possível escolher entre exibir o conta-giros, um “econômetro” ou deixar o velocímetro sozinho ao centro. Em modo Sport, a tela digital fica com fundo vermelho. O único incômodo é a luminosidade baixa, mesmo com oito níveis de ajuste.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Por fim, o sistema Connect Me. Em nosso teste, conseguimos fazer tudo que a Fiat promete com ele: travar ou destravar as portas, dar partida ou desligar o motor, tudo remotamente através do aplicativo instalado no celular ou do sistema Alexa. 

Mas é preciso ter alguns cuidados. Primeiro, a Alexa não entende comandos diretos como “ligue meu carro”. É preciso dizer: “Alexa, peça para a Fiat ligar o meu carro”, e só assim ela acederá. E não abuse da brincadeira, porque após três partidas remotas seguidas a picape entrará em modo de segurança e ficará ligável apenas presencialmente.

Leia também: Audi A3 compra passagem de volta para o Brasil por R$ 284.990

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Por fim, prefira não utilizar esse tipo de ajuda se estiver com muita pressa, porque pode haver imprevistos. Eu mesmo vivi um caso peculiar: solicitei que o motor fosse ligado pelo app com a chave dentro do carro, mas as portas trancaram automaticamente e o Android Auto sem fio conectou ao meu aparelho, que travou com tanta coisa aberta de uma vez.

Resultado: passei alguns bons minutos no processo de reiniciar o aparelho e me afastar do carro para o Android Auto não conectar sozinho, para aí então reabrir o aplicativo e destravar as portas. Nesse ínterim, o carro desligou sozinho.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Falando em Android Auto ou Apple CarPlay sem fio, outra curiosidade é que não dá para conectá-los usando simultaneamente o Wi-Fi do veículo. Para usufruir da internet fornecida pelo chip nativo da nova Toro (pago à parte, em planos entre R$ 30 e R$ 100 por mês) e projetar o celular na central multimídia ao mesmo tempo, só através do velho cabo USB.

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Em segurança ativa, a Toro Volcano oferece opcionalmente, dentro do já mencionado Pacote de Tecnologia, frenagem autônoma emergencial a até 130 km/h (com um aviso sonoro capaz de acordar qualquer passageiro em caso de aproximação excessiva para o veículo à frente) e assistente ativo de permanência em faixa. Ambos funcionaram a contento durante nosso uso, mas o freio autônomo é apenas emergencial, ou seja, não há aqui um controle de cruzeiro adaptivo.

Leia também: Chevrolet Montana com cara de Agile morre e mata base do Corsa de 1994

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

Itens de série:

  • Faróis full-LED com acendimento automático e luzes de conversão
  • Lanternas traseiras em LED;
  • Grade em preto brilhante com contorno cromado
  • Falso quebra-mato no para-choque na cor prata
  • Maçanetas e molduras cromadas
  • Sete airbags (frontais, laterais, de cortina e de joelho para o motorista)
  • Chave com sensor presencial e comando para partida remota do motor 
  • Alarme
  • Quadro de instrumentos parcialmente digital de 7 polegadas
  • Controles de estabilidade e tração com assistente de subida em rampas
  • Bloqueio eletrônico de diferencial dianteiro (e-Locker)
  • Direção elétrica progressiva
  • Volante multifuncional revestido em couro
  • Borboletas para trocas sequenciais manuais das marchas
  • Vidros elétricos com um-toque e antiesmagamento
  • Sensor de chuva
  • Central multimídia UConnect de 8,4” com Android Auto e Apple CarPlay sem fio
  • Sistema Fiat Connect Me, com comandos e informações sobre o veículo disponíveis via aplicativo no celular ou pelo sistema Alexa
  • Chip nativo com Wi-Fi a bordo para até oito aparelhos simultaneamente
  • Carregador de celular por indução
  • Retrovisores externos elétricos com rebatimento e tilt down no direito
  • Ar-condicionado automático digital
  • Controle de cruzeiro
  • Sensores dianteiros e traseiros de estacionamento
  • Câmera de ré
  • Bancos revestidos em couro
  • Banco do motorista com ajuste elétrico
  • Banco do passageiro com porta-objetos sob o assento
  • Iluminação ambiente interna em LED
  • Caçamba com iluminação, revestimento aderente, porta-escada e tampa com abertura lateral bipartida elétrica 
  • USBs tipos A e C no painel e no baú do console central
  • Console central com apoio de braço no topo do porta-objetos
  • Barras longitudinais de teto
  • Capota marítima
  • Rodas de liga leve aro 18

Opciona 1 (R$ 3.000)

  • Central multimídia com tela vertical estilo tablet de 10,1”
  • Pacote de segurança semiautônoma com frenagem emergencial, assistente de permanência em faixa e farol alto automático

Opcional 2 (R$ 4.000)

  • Teto rolar

Leia também: Encher o tanque até a boca prejudica o carro e até a sua saúde

Conclusão

Picape evolui em desempenho com motor turboflex e conectividade, mantém o conforto e a estabilidade de antes, mas ainda vacila em alguns quesitos

A Toro 2022 ganhou um visual ainda mais apelativo na parte dianteira, transformou o desempenho com o novo motor turbo, evoluiu de modo abissal o nível de conectividade a bordo e podemos dizer, certamente, que melhorou um pouco a comodidade a bordo com as novas soluções para painel, guarnição das portas e porta-objetos.

Ao mesmo tempo, manteve algumas boas qualidades de outrora, como o conforto ao dirigir, o bom nível de isolamento acústico e um acabamento bem resolvido. Mas ainda não dirimiu detalhes como o consumo elevado ou a capacidade de manobra ruim para seu porte.

Ainda assim, o saldo geral é bem positivo. A Toro flex continua a ser uma picape predominantemente urbana, mas agora está mais esperta para encarar as velocidades mais altas de uma rodovia ou simplesmente te levar mais rápido até o shopping. E com uma dose muito maior de conectividade no meio do caminho.

Imagens: Murilo Góes/Mobiauto
Arte placa: Kleber Silva/Mobiauto

Você também pode se interessar por:

Fiat Toro 2022: cinco coisas que queríamos que mudasse na picape
Fiat terá três SUVs tamanho P, M e G nos próximos anos
Quais carros de Jeep e Fiat terão motor turbo (e quando chegam)
Assinar um Fiat ou Jeep custará de R$ 1.350 a R$ 4.730 por mês
Stellantis: como fusão afetará Fiat, Jeep, Citroën e Peugeot no Brasil

fiat toro 2022nova fiat torocomo anda a fiat toro turbofiat toro turbo 270 flexfiat toro turbo flexpicapeavaliação nova fiat torofiat toro volcanopicape turbopicape urbanapicape compacta média

Comentários