Hyundai Santa Cruz quer intimidar Fiat Toro com potência de Amarok V6

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival
Por Leonardo Felix
15.04.2021 às 23h:06 • Att. há cerca de 1 mês
Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Havia muita expectativa sobre a chegada da Hyundai Santa Cruz, picape compacta-média criada sob medida para encarar a Fiat Toro. Há chances, inclusive, de ambas se cruzarem aqui no Brasil, caso a Caoa resolva montá-la em Anápolis (GO) nos próximos anos.

Para fazer a Santa Cruz encarar a rival, assim como a Ford Maverick e, talvez, a VW Tarok, a Hyundai não poupou esforços nas áreas de design, motorização e tecnologias. A mais perceptível das ousadias, nas primeiras imagens oficiais do modelo, é o visual.

Consulte o valor do seu carro na Tabela Fipe

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Construída sobre a plataforma do novo Tucson, a Santa Cruz herdou do SUV a estrutura monobloco e parte da cabine. Sempre com cabine dupla e quatro portas, suas medidas são muito similares às da Toro, porém um pouco maiores em quase todas as dimensões: 4.971 mm de comprimento, 1.900 mm de largura, 1.694 mm de altura e 3.005 mm de entre-eixos. Só perde para a oponente em altura.

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Outra curiosidade é que a Hyundai não chama a Santa Cruz de picape, pelo menos não nos EUA. Por lá, ela está sendo chamada de “SAV” (sigla em inglês para “veículo aventureiro esportivo”). Lembremos que a Fiat tentou vender a Toro como “SUP” (picape utilitária esportiva) ao lança-la, em 2016, sem muito sucesso.

Leia também: Nova Fiat Toro terá duas caras e bloqueio de diferencial TC+ da Strada

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Esteticamente, a Santa Cruz guarda semelhanças com o irmão Tucson de nova geração (ainda distante do Brasil), especialmente pelo conjunto óptico dianteiro que se confunde com as estranhas da grade, formando praticamente um desenho único.

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

A solução ousada vem acompanhada de uma lateral musculosa, cheia de vincos proeminentes, de rodas aro 20 com traços arrojados (elas podem ser de 18 polegadas caso o intuito seja um uso mais voltado ao off-road) e de uma traseira com lanternas de LED bipartidas na forma de T deitado, ocupando parte da tampa da caçamba. 

Leia também: Está mais barato comprar este avião que um Renegade, T-Cross ou Tracker

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Aqui, aliás, está um ponto em que a Santa Cruz é mais convencional que a Toro, visto que a abertura do compartimento é de cima para baixo, como em qualquer picape, e não lateralmente através de uma porta bipartida, como no modelo da Fiat (que, em outros mercados, é vendida como Ram 1000).

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Já a motorização aponta um recado claro da marca coreana, de que não entrou na jogada para brincar. As versões de entrada usarão um 2.5 quatro-cilindros aspirado com injeção direta, a gasolina, que renderá mais de 190 cv de potência e cerca de 25 kgfm de torque (os dados exatos não foram divulgados). Nesta opção, o câmbio será automático de oito marchas.

Leia também: Novo Jeep Compass tem pré-venda para 4 versões. Veja os itens de cada

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Enquanto isso, as configurações mais caras serão empurradas por um propulsor de mesma capacidade cúbica e movido pelo mesmo tipo de combustível, porém turbo e aliado a uma caixa de dupla embreagem com oito velocidades. Com ele, a Santa Cruz deve alcançar 280 cv e mais de 42 kgfm. É mais do que os 272 cv da Amarok V6 (com overboost!).

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Em ambos os casos, a tração será integral, através do sistema HTRAC, incluindo controle variável de torque entre os eixos e distribuição variável entre as rodas. A capacidade de carga na caçamba não foi divulgada, mas a de reboque (mais estimada pelos americanos) sim: quase 1.600 kg na configuração aspirada e quase 2.300 kg na turbinada.

Leia também: As melhores picapes 4x4 na faixa de R$ 100 mil

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Por dentro, chama a atenção o painel. Nele, é o quadro de instrumentos digital que fica em tela flutuante, e não a central multimídia. O volante troca o raio vertical inferior por outros dois horizontais, paralelos aos centrais, formando efeito de base arredondada e achatada ao mesmo tempo. Tal padrão estará presente no novo Creta, que chega ao Brasil no fim do ano.

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Na parte de conectividade, a Santa Cruz terá sistemas muito semelhantes aos do Adventure Intelligence do novo Jeep Compass – e que deve ser aproveitado também pela nova Toro: Wi-Fi a bordo e comandos como ligar o veículo e destravar as portas feitos remotamente por aplicativo de celular, relógios inteligentes ou até pelo sistema Alexa.

Leia também: Novo Honda City Sedan quer briga com Onix Plus e Virtus sem usar turbo

Picape copia Fiat na fórmula e nas medidas, mas ousa no visual, nas tecnologias e na motorização para impor respeito à rival

Na parte de segurança ativa, a picape – ou seria melhor SAV? – contará com frenagem autônoma anticolisão dianteira capaz de detectar pedestres, ciclistas e até veículos que estão mudando de direção. E seu detector de tráfego cruzado à ré também será reforçado por frenagem autônoma emergencial, se necessário.

Seu controle de cruzeiro vai além do ACC ao qual os brasileiros estão começando a se acostumar. Chamado SCC (“Smart Cruise Control”), ele é capaz de frear o veículo totalmente num engarrafamento e reacelerá-lo após alguns segundos, e de fazer curvas de raio mais longo sem interferência do motorista numa rodovia.

Segundo a Hyundai, a produção da Santa Cruz na fábrica de Montgomery, no estado americano do Alabama, começará em junho. As vendas começarão em território americano no terceiro trimestre. Por aqui, sua chegada é ansiosamente aguardada, mas ainda não está assegurada.

Você também pode se interessar por:

Hyundai Alcazar: tudo que já sabemos sobre o SUV de 7 lugares do Creta
Hyundai HB20: os principais problemas, segundo os donos
Avaliação: Hyundai HB20 tem custo-benefício melhor que Onix e Polo?
Hyundai HB20 2022 democratiza ESP e airbags laterais, mas fica mais caro 

Hyundai Santa Cruzpicapepicape monoblocopicape potentepicape turbopicape 4x4picape compactapicape médiaRival da Fiat Toro

Comentários