Avaliação: Mercedes A 250 é o carro que todo jovem deveria querer

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo
Por Camila Torres
17.01.2022 às 11h:41 • Att. há cerca de 4 meses
Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

Mercedes, ajuste a temperatura do ar-condicionado para 21 graus. "Ajustando ar-condicionado". Mercedes, feche a persiana do teto solar. "Fechando persianas". Mercedes, ligue o rádio. "Ligando o rádio".

Este é o MBUX (Mercedes-Benz User Experience), uma espécie de assistente de voz que controla vários comandos do A 250. Um dos principais diferenciais quando a quarta geração do hatchback foi lançada, em 2019, juntamente com o design e o motor, mas falaremos desses mais adiante.

Há dois anos, quando o A 250 chegou, não tínhamos no Brasil uma oferta de carros que poderiam ser controlados por uma assistente de voz, como Jeep e Fiat através da Alexa, ou a Volvo através do Google

Sendo assim, o MBUX foi uma espécie de pioneiro. Na verdade, ainda é. O nível de inteligência e a possibilidade de mais de 30 comandos faz com que o assistente da Mercedes se diferencie do que a concorrência oferece, inclusive alguns assistentes de marcas próprias que temos no mercado.

Anuncie seu carro sem pagar na Mobiauto

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

Nada melhor do que ter um copiloto para te ajudar até nas coisas mais simples, não é mesmo? O MBUX só não te dá água. O resto ele faz com louvor. Esse é um dos motivos para o Mercedes-Benz A 250 ser um carro que todo jovem iria querer. Afinal, nós já estamos tão familiarizados com essas tecnologias.

Leia também: Nova Fiat Toro: controlamos a picape pela Alexa. Será que deu certo?

Digo nós pois, bem… Eu tenho 25 anos e acho o Google e a Alexa incríveis, mas o MBUX é até mais interessante. O problema é só o preço do carro que vem com ele: R$ 338.000. Fez um bom negócio quem comprou o novo Classe A por menos de R$ 200.000 quando ele foi lançado, dois anos e meio atrás. 

Agora que já apresentamos uma das principais particularidades do A 250 - que, inclusive, já está disponível em outros modelos da marca -, vamos conhecer um pouco mais desse hatch que é um verdadeiro devaneio, especialmente para o público mais jovem.

Leia também: Avaliação: Mercedes-GLB, o rival de luxo de Jeep Commander e Toyota SW4


Carro de jovem? 

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

Veja bem, não estamos dizendo que o Mercedes-Benz A 250 não é um carro para pessoas mais velhas. Até porque temos poucos jovens no nosso país com mais de R$ 300.000 disponíveis para pagar por um carro. No entanto, o seu perfil é mais jovial mesmo. A começar pela carroceria hatchback. 

Não é nada de etarismo, é comportamental: Os hatches costumam ser a escolha de quem está começando a dirigir por serem menores, mais práticos e fáceis de manobrar, além de sempre terem sido a escolha óbvia de solteiros ou casais que ainda não têm crianças. 

O problema é que os hatchbacks estão ficando cada vez mais raros no mercado, especialmente nos segmentos premium e de luxo. Hoje, os SUVs já vêm abocanhando uma parte até desse público.

Ainda há motivos para apostar em um hatch, mesmo que acima de R$ 300.000? O A 250 tentará te convencer disso nos parágrafos abaixo.

Leia também: Avaliação: como anda o Mercedes GLA com o mesmo motor do novo Captur


Design 

O Mercedes-Benz A 250 ganhou um visual mais agressivo na quarta geração. A dianteira ficou invocada, especialmente pelo novo design dos faróis. Os vincos ganharam destaque e trouxeram mais atitude ao carro. Quem disse que a Mercedes-Benz não sabe ser jovem?

A traseira é muito característica da marca. O teto vai ganhando proporções mais avantajadas na altura do porta-malas, o que ao Classe A hatch um aspecto de veículo largo e esportivo. As rodas em liga leve aro 18 aumentam essa sensação. 

Por dentro o design é ainda mais impactante. É sentado no banco do motorista que o A 250 ganha cara de carro de R$ 300.000. 

Leia também:  Comparativo: Jeep Compass x Fiat Toro, qual usa melhor o motor turbo?

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

O interior tem a combinação clássica de preto e bege, muito usada no segmento premium. E que combinou muito bem com os detalhes imitando fibra de carbono do painel, além do preto brilhante presente nas saídas de ar-condicionado, console e régua flutuante contendo o quadro de instrumentos digital e a central multimídia, ambos em telas de 10,25 polegadas. 

Assim como o visual externo, o habitáculo também tem a cara dos carros da Marcedes-Benz. A marca da estrela de três pontas sabe muito bem, como poucas no mercado, criar uma identidade visual.

Leia também: Ford Bronco Sport, R$ 256.900, esnoba Compass e mira na Land Rover


Espaço 

O A 250 oferece o que é esperado de um hatch médio: mais  espaço e conforto para quem vai à frente. Os bancos dianteiros acomodam bem o motorista e o passageiro, seja para um trajeto na cidade ou mesmo em uma viagem mais longa. 

Esse é um dos pontos nos quais a Mercedes-Benz se sobressai em relação à BMW: seus bancos costumam ser mais acertados, macios, acomodando muito bem quem está a bordo. Já a rival bávara oferece bancos mais duros e menos ergonômicos, talvez para reforçar o caráter esportivo de seus carros. 

A surpresa do Classe A hatch é que, em seu caso, quem está atrás também vai bem. Tirando o passageiro do meio, que precisa viajar com as pernas afastadas devido ao túnel central muito elevado. Ainda assim, deslocamentos mais longos podem ser feitos com quatro pessoas a bordo.

Leia também: Audi A3 compra passagem de volta para o Brasil por r$ 284.990

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

Nas posições laterais traseiras o espaço para as pernas é bom, desde que quem senta à frente não jogue os bancos completamente para trás. A altura do carro também está dentro do esperado para que nem mesmo as pessoas mais altas fiquem com a cabeça varrendo o teto. 

O porta-malas de 370 litros é adequado para a categoria de hatches médios. Cabem perfeitamente as malas de motorista e um passageiro. Com jeitinho, talvez sobre um espacinho para a bagagem de quem vai de carona atrás. 

Leia também: Avaliação: Volvo S60 tem luxo e consumo de dar inveja a um carro popular

Para tornar a viagem ainda mais confortável, há saídas de ar-condicionado para a segunda fileira de bancos e quatro entradas USB-C. Ou seja, não há briga para saber quem irá carregar o celular primeiro, mas se seu cabo possui saída do tipo USB-A, é bom comprar outro ou mesmo um adaptador. Caso contrário, você ainda poderá usar o carregador por indução no console central.

Dimensões: 4.419 mm de comprimento, 1.440 mm de altura, 1.796 mm de largura e 2.729 mm de entre-eixos. Porta-malas: 370 litros

 

Desempenho 

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

Como dissemos acima, a Mercedes tem muito enraizada essa pegada de proporcionar conforto. Não à toa, seu público mais tradicional dificilmente se rende a outras marcas, mesmo sabendo que, em termos de desempenho, geralmente os Audi ou BMW se saiam melhores.

Ainda assim, o A 250 se mostra um hatch muito capaz em termos dinâmicos. O motor 2.0 16V turbo a gasolina com injeção direta, de 224 cv e 35,5 kgfm, é casado com um câmbio de dupla embreagem automatizado de sete marchas, com caixa banhada a óleo.

Leia também: Você já pode assinar um Audi como se fosse Netflix ou Spotify

Testamos o conjunto em uma viagem de cerca de 70 km entre São Paulo capital e o pequeno município de São Roque. O trajeto é gostoso, tem boas curvas e fica mais montanhoso à medida em que nos aproximamos da popular “cidade do vinho”.

Fazendo jus ao design, o A 250 mostrou que tem um motor com saúde para a estrada. Mas isso já esperávamos, afinal ele vai de 0 a 100 km/h em 6,2 segundos. Basta pisar no acelerador para o hatch responder prontamente. A relação peso/potência também ajuda. Estamos falando de 6,5 kg/cv.

Leia também: Avaliação: carro elétrico mais vendido no Brasil é enorme e sem retrovisor

Não teve um momento em que o modelo mostrou falta de fôlego. Nem mesmo nos trechos mais montanhosos e com quatro pessoas no carro. A performance nas curvas também merece elogios. Ele as contorna muito bem, com agilidade e grudado ao chão o tempo todo. 

Às vezes, damos tanta atenção aos sedans, SUVs e picapes que nos esquecemos do que os hatches são capazes, graças ao porte menor.

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

No entanto, temos algumas ressalvas para o assistente de frenagem, que é um tanto agressivo. Ele detecta quando o carro à frente parou e, se você não está usando o freio na intensidade de quem pretende parar, o próprio sistema se encarrega de fazer a frenagem completa, de uma vez.

Em situações de trânsito na cidade, ele chegou a parar o carro completamente duas vezes de maneira brusca, sem um risco iminente adiante. Além do susto nos passageiros, que sentiram o impacto contra os cintos, ele poderia ter causado uma colisão de outro veículo contra nossa traseira em vez de evitar uma potencial batida dianteira.

Leia também: Avaliação: Audi Q5 Sportback quer ter tanto estilo quanto BMW X4

Tirando isso, o Mercedes-Benz A 250 tem uma direção extremamente confortável, sem perder a pegada esportiva dos 224 cv. É tudo que o público mais exigente deseja. 

O consumo, segundo o Programa de Etiquetagem do Inmetro, é de 9,7 km/litro na cidade e 13,5 km/litro na estrada, sempre com gasolina. Nada mal para um carro que anda tão bem.

Leia também: Novo Audi A4 chega em três versões: veja preços e itens de série

Motor: 2.0, dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16V, turbo, gasolina, duplo comando de válvulas, injeção direta de combustível, taxa de compressão 10,5:1
Potência: 224 cv (G) a 5.800 rpm
Torque: 35,7 kgfm (G) a 1.800 rpm
Peso/potência: 6,5 kg/cv
Peso/torque: 40,5 kg/kgfm
Câmbio: automatizado, 7 marchas / embreagem dupla banhada a óleo
Tração: dianteira
0 a 100 km/h: 6,2 segundos (G)
Velocidade máxima: 250 km/h

Dados técnicos: direção elétrica progressiva, suspensão independente McPherson (dianteira) e multibraço (traseira), freios a disco ventilados (dianteira) e sólidos (traseira), 11 m diâmetro de giro, 104 mm de altura mínima do solo, 13,4 graus ângulo de ataque, 9,4 graus de ângulo central, 17,2 graus ângulo de saída. Tanque de combustível: 43 litros.


Mercedes-Benz A 250 2021 - Principais itens de série

Tecnológico e potente, modelo deveria ser sonho de consumo para qualquer jovem num mundo em que os hatches estão morrendo

  • 7 Airbags
  • Ajustes elétrico para lombar
  • Alarme Antifurto
  • AMG Dynamic Select
  • Android Auto
  • Antena GPS
  • Apoio de braço
  • Apple CarPlay
  • Ar-condicionado Thermatic
  • Assistente estacionamento PARKTRONIC
  • Assistente Ativo de Frenagem
  • Banco motorista e passageiro elétrico com memória
  • Bancos Comfort
  • Cockpit Digital de 10"
  • Controle Cruzeiro com Limitador de Velocidade
  • Câmbio automático 7G-DCT
  • Câmera Traseira
  • Eixo multilink
  • Encostos rebatimento bancos Traseiros
  • Faróis Full Led
  • Funções Estendidas do MBUX
  • Identificação Número VIN
  • Integração p/ Smartphones
  • Luz ambiente
  • Manuais em português
  • Omissão Kit Primeiros Soc.
  • Pacote de conforto dos assentos
  • Pacote de estacionamento
  • Pacote de iluminação
  • Pacote Night
  • Pacote Progressive
  • Pacote proteção antifurto
  • Para-brisa c/ sensor chuva
  • Pneus de Verão
  • Pneus Run-Flat
  • Preparação para Embarque
  • Retrovisor externo rebatível elétrico
  • Retrovisor antiofuscante
  • Sistema Multimidia MBUX
  • Suspensão Comfort
  • Tapetes de Veludo
  • Tela central de 10,2''
  • Teto Solar Elétrico Panorâmico
  • Tirefit
  • Touchpad
  • TPMS
  • Volante com Shift Paddles
  • Volante multifunções couro
  • Carregador por indução
  • Rodas 18'' (225/45 R 18)
  • Acabam. painel fibra carbono 

Leia também: Como a BMW fez este SUV mudar de cor sem efeitos especiais


Mercedes-Benz A250 vale a pena?

Estamos falando de quase R$ 340.000, o que abre bem o leque de possibilidades. Temos muitos carros interessantíssimos nesta faixa de preço, de sedans a SUVs, passando por picapes.

Mas se focarmos apenas nos seus principais concorrentes, BMW Série 1 e Audi A3, o A 250 cobra mais caro, mas também entrega mais. É mais potente, o único do segmento que passa de 200 cv. Também é mais sofisticado, confortável e tecnológico, inclusive pelo MBUX.

Por isso a resposta é sim, vale a pena. Se você tem esse dinheiro na conta, sua família não é grande e quer um carro ágil, o Mercedes-Benz A 250 vai te proporcionar bons momentos de diversão. É, definitivamente, o carro que todo jovem deveria querer.

[vide0]


Talvez você também se interesse: 

BMW XM quer ser um SUV híbrido todo desconstruído e muito, muito forte
Avaliação: Mercedes-GLB, o rival de luxo de Jeep Commander e Toyota SW4
Avaliação: como anda o Mercedes GLA com o mesmo motor do novo Captur
Avaliação: Renault Captur 2022, como SUV anda com motor turbo de 170 cv 

Mercedes-Benz
Mercedes Classe A
Mercedes A 250
Hatch
Hatch Médio
Hatch de luxo
Hatch Turbo
Audi A3
Carros Premium
rosto de óculos escuros

Comentários