Por que Nissan tentará extrair hidrogênio do etanol e Fiat desistiu

Enquanto marca japonesa segue com projeto que transforma biocombustível em eletricidade, Stellantis desistiu de revolucionário motor turboetanol
Por Leonardo Felix
16.06.2021 às 22h:43 • Att. há cerca de 3 meses
Enquanto marca japonesa segue com projeto que transforma biocombustível em eletricidade, Stellantis desistiu de revolucionário motor turboetanol

Nesta semana, a Nissan anunciou uma parceria com o Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares) para seguir adiante com o projeto de fabricar veículos movidos pela chamada SOFC (Célula de Combustível de Óxido Sólido). 

Em vez de hidrogênio líquido, o plano da fabricante japonesa no Brasil é utilizar o nosso conhecidíssimo etanol para gerar hidrogênio através de catálise e, então, produzir a energia elétrica que moverá o automóvel ou comercial leve.

Anuncie seu carro sem pagar na Mobiauto

Nissan: etanol para gerar eletricidade

Enquanto marca japonesa segue com projeto que transforma biocombustível em eletricidade, Stellantis desistiu de revolucionário motor turboetanol

A grande sacada do projeto é criar carros elétricos que dispensam a necessidade de recarga externa para as baterias. Em vez disso, o dono apenas abastece o tanque com etanol como em qualquer veículo existente hoje. 

Os testes estão sendo feitos com álcool hidratado em proporção de 7% com água, mesmo percentual do combustível que usamos atualmente em nossos carros. A empresa espera evoluir a tecnologia até chegar a 55% de água e 45% do líquido derivado da cana-de-açúcar, o que tornaria os veículos ainda mais limpos em termos de emissões de poluentes.

Leia também: Por que o Compass flex ficou mais econômico com turbo e a Toro não

Enquanto marca japonesa segue com projeto que transforma biocombustível em eletricidade, Stellantis desistiu de revolucionário motor turboetanol

O anúncio foi uma grade surpresa em meio a um cenário um tanto obscuro para o futuro do automóvel no Brasil. Afinal, enquanto outros mercados mais maduros caminham a passos firmes rumo à eletrificação, por aqui o processo engatinha, o que pode deixar nosso país isolado tecnologicamente daqui a alguns anos não muito distantes.

Mais do que isso, o anúncio recoloca a Nissan em certa posição de protagonismo, visto que a companhia tem perdido espaço para outras marcas no cenário automotivo brasileiro nos últimos anos.

Leia também: Exclusivo: novo BMW M3 exibido em showrooms não é o que será vendido

Só que os nipônicos não eram os únicos que vinham tentando aproveitar melhor o uso do etanol, um combustível que só “pegou” do Brasil. O antigo grupo FCA, agora Stellantis, também quis emplacar um projeto revolucionário que dava protagonismo ao combustível originado dos canaviais. E o mais surpreendente: em um motor 100% a combustão.

Fiat: um turboetanol com ignição por plasma

Chamado de E4, o propulsor se baseava no 1.3 GS3 T4 que estreou recentemente na Fiat Toro Turbo 270 e no Jeep Compass T270. Contudo, seria movido 100% a etanol e seu objetivo seria reduzir a diferença de cerca de 30% no consumo do etanol em relação à gasolina, sem perder as vantagens do primeiro em termos de desempenho e emissões de poluentes (80% a menos).

Leia também: Crise de semicondutores vai longe e deixará carros ainda mais caros

Para isso, contaria com alguns conceitos vanguardistas e outros até óbvios: um deles seria a elevação da taxa de compressão para cerca de 15:1, visto que o etanol tem maior resistência à detonação. Com isso, seria possível ter mais ar na mistura e fazer o combustível render melhor.

Enquanto marca japonesa segue com projeto que transforma biocombustível em eletricidade, Stellantis desistiu de revolucionário motor turboetanol

Além disso, o E4 contaria com ignição por plasma – quarto estado da matéria, obtido pelo superaquecimento de gases –, capaz de conduzir cargas elétricas da ignição por toda a câmara, promovendo uma combustão mais eficiente, rápida, potente e com melhor aproveitamento da energia gerada.

Leia também: Nova Nissan Frontier americana é boa demais para vir ao Brasil

Por fim, o sistema “roubaria” uma pequena quantidade de etanol líquido das galerias de admissão para juntá-lo aos gases de escape em um sistema chamado REGR (reformador dos gases emitidos na queima). 

Através de um reformador catalítico, o veículo faria a catálise do etanol com os gases e geraria hidrogênio, um elemento com baixa energia de ignição e alta taxa de queima. Ele seria aproveitado na fase de admissão para otimizar a ignição e a detonação do etanol, poupando uma boa dose de energia do motor e melhorando sua eficiência térmica. Fascinante, não?

Leia também: Honda vai reduzir linha de carros nacionais. Veja quais vão morrer

Enquanto marca japonesa segue com projeto que transforma biocombustível em eletricidade, Stellantis desistiu de revolucionário motor turboetanol

Por que a Fiat desistiu e a Nissan não

Todavia, a Stellantis já anunciou ter desistido do motor E4, cuja chegada ao mercado estava prevista para ocorrer já em 2022. Uma pena. A grande pergunta que fica é: se Fiat e Nissan estavam ambas tentando usar etanol para gerar hidrogênio, por que a tentativa de uma fracassou e a da outra seguiu adiante?

A resposta é simples: por mais vanguardista que fosse – membros da Stellantis, na época, chegaram a cogitar que o sistema representaria a “morte do carro elétrico” no Brasil –, o sistema da antiga FCA ainda se baseava no velho e bom motor a combustão. 

Para a matriz da agora Stellantis, qual o sentido de investir recursos em um conceito aparentemente tão revolucionário, mas que faz parte de uma tecnologia que está com os dias contados para virar peça de museu?

Leia também: Entenda nova lei de emissões que vai matar Fox, Uno e outros dinossauros

Já a proposta da Nissan usa o etanol com fonte para gerar eletricidade e mover os futuros carros elétricos brasileiros com a comodidade de não precisarmos deixar o carro horas e horas recarregando na tomada antes de usá-lo de novo. Faz mais sentido, pensando em longo prazo.

É claro que ainda é cedo para afirmar que o sistema SOFC da Nissan será mesmo tirado do papel e se popularizará no Brasil, mas a marca japonesa parece ter encontrado um caminho mais viável que a rival, aproveitando o que de melhor o combustível vegetal brasileiro, embora ainda um bocado rejeitado por nossa população, tem a oferecer.

Você também pode se interessar por:

Avaliação: Nissan Kicks tenta se renovar ao máximo mudando o mínimo
Novo Nissan Sentra: mais esportivo e menos tiozão, ele vem ou não ao Brasil?
Avaliação: Jeep Compass T270 dá alguma brecha a Taos e Corolla Cross?
Avaliação: Fiat Toro 2022, o que melhorou e o que deveria ter melhorado 

nissan SOFC
Nissan NV200 célula de combustível com etanol
Fiat motor E4
Fiat motor turboetanol
carro elétrico
conversão etanol em hidrogênio
carro célula de combustível
conversão de etanol em eletricidade
rosto de óculos escuros

Comentários