Avaliação: Fiat Mobi Trekking, vale pagar R$ 70.000 por um carro popular?

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro
Por Leonardo Felix
13.01.2022 às 17h:19 • Att. há cerca de 15 dias
Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

A pandemia do coronavírus provocou um fenômeno desanimador no mercado brasileiro. A renda média da população caiu, o desemprego aumentou, a inflação cresceu e os preços dos carros novos dispararam, com reajustes que chegaram a até 50% ao longo de 2021.

Tudo isso desidratou o segmento de modelos mais populares. Afinal, faz sentido pagar mais de R$ 60.000, ou pior, quase R$ 70.000 por um subcompacto como o Fiat Mobi Trekking? É a pergunta que tentamos responder em mais uma edição do Mobiauto Avalia. Assista logo abaixo e leia mais sobre ele em nossa avaliação escrita na sequência.

Anuncie seu carro na Mobiauto

Logo de saída, o Mobi Trekking pede quase R$ 64.000. A pintura Cinza Silvestone com teto Preto Volcano, ostentada na unidade que testamos, cobra outros R$ 1.600. E ainda há mais R$ 4.000 a serem gastos em opcionais para aumentar o nível de conforto a bordo, com itens como retrovisores elétricos e volante com ajuste de altura (sem profundidade).

Fiat Mobi Trekking – Preço: R$ 63.990. Pintura: Cinza Silvestone com teto Preto Volcano: R$ 1.600. Opcional Pack One (volante com regulagem de altura; cintos dianteiros com regulagem de altura; comando interno de abertura de porta-malas e tanque de combustível; retrovisores externos elétricos com Tilt Down; sensores traseiros de estacionamento): R$ 1.500. Opcional Pack Style (Rodas de liga leve 14"; faróis de neblina): R$ 2.500. Total: R$ 69.590

Leia também: Fiat veta novo reajuste do Pulse de pré-venda por medo de multa milionária

Design, acabamento e espaço interno

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

O Mobi é um projeto derivado da plataforma 327 do extinto Uno de segunda geração. O balanço dianteiro e toda a estrutura até a coluna B são muito parecidos, mas o subcompacto teve a traseira encurtada para atender a uma proposta mais urbana. Foi criado originalmente para brigar com o VW Up!, mas hoje tem no Renault Kwid seu principal rival.

Seu visual é praticamente o mesmo já conhecido desde 2016, ano de lançamento. De lá para cá, a Fiat só reestilizou a sua grade, na linha 2021, adotando novas divisórias por barras horizontais, novo logotipo e a bandeirinha da Itália decorando o canto inferior esquerdo. Foi também nesse ano/modelo que a versão aventureira Trekking surgiu.

Portanto, tudo que temos no Mobi em termos estéticos já não é novidade: os enormes faróis halógenos monoparábola, o balanço dianteiro bem proeminente, a traseira curtinha, a tampa do porta-malas de vidro... A versão Trekking traz adesivos exclusivos espalhados por capô, teto, laterais e traseira, além de uma suspensão elevada com 19 cm de vão livre do solo.

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

Curiosamente, é a mesma calibração do extinto Uno Way, e que agora se tornou padrão em toda a gama do modelo, pois também está presente na versão Like, enquanto a antiga opção de entrada, Easy, foi retirada de catálogo.

Internamente, todo o acabamento é composto por plástico rígido nos painéis e tecido nos bancos. No Trekking, o revestimento traz costuras alaranjadas, faixas laterais em tom cinza e tecidos de assentos e encostos lombares estilizados com desenhos de ranhuras.

Leia também: Os carros que ainda custam até R$ 100.000

O entre-eixos encurtado para menos de 2,31 m, o menor entre todos os carros zero-quilômetro produzidos no Brasil atualmente, torna o espaço para pernas limitado na traseira. A máxima vale especialmente para quem senta no meio, visto que há um porta-copos acima do já elevado túnel central. 

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

Mesmo a largura é acanhada, fazendo com que os ombros de quem trafega nas posições laterais invadam o espaço intermediário. Ou seja: é um carro homologado para cinco passageiros, mas que na prática é capaz de transportar quatro pessoas com o mínimo de conforto. E se as portas laterais traseiras são curtíssimas, o ângulo de abertura de quase 45° garante um fácil acesso à segunda fileira.

Na frente, a vida de motorista e passageiro fica um pouco mais cômoda, embora o espaço também seja limitado para os ombros. O console de teto com porta-óculos e um pequeno espelho para ficar de olho nos filhos atrás pode até ser útil em vários momentos, mas ajuda a aumentar a sensação de aperto a bordo.

No porta-malas de 200 litros cabe pouco mais do que algumas mochilas ou malas pequenas, reforçando sua proposta quase estritamente urbana.

Dimensões:  comprimento, 3.566 mm; largura, 1.666 mm; altura, 1.552 mm; entre-eixos, 2.307 mm. Porta-malas: 200 litros.

Leia também: Avaliação: Fiat Pulse Turbo 200, o que é ótimo e o que poderia ser melhor

Desempenho

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

O Mobi Trekking entrega o que se espera de um carro 1.0 flex aspirado feito para rodar na cidade. Seu 0 a 100 km/h é melhor que o do Kwid e o subcompacto apresenta respostas até ágeis nas arrancadas de semáforo e retomadas após conversões.

O motor é o velho Fire Evo 8V flex e com comando único de válvulas. Confiável e de manutenção barata, mostra-se também um propulsor girador, sem medo de gritar e fazer crescerem as rotações quando se precisa subir uma ladeira. Por um lado, isso ajuda a ter boas respostas. Por outro, compromete um pouco o consumo e o conforto acústico.

O câmbio manual de cinco marchas é outro veterano da Fiat. Tem engates longos, molinhos e pouco justos, características das quais eu particularmente não gosto. Sua relação é bem curta, mesmo nas marchas mais altas, o que ajuda a proporcionar arrancadas mais céleres, mas te faz cambiar quase o tempo todo.

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

A menos de 50 km/h, o Mobi Trekking já está clamando pela quinta marcha. Outra consequência é que numa rodovia, entre 110 e 120 km/h, o motor está sempre berrando acima de 4.000 rpm. Mais uma vez, estamos diante de um veículo feito para o anda-e-para das urbes.

Motor: 1.0, dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 8V, aspirado, flex, comando único de válvulas, injeção eletrônica multiponto, taxa de compressão 13:1
Potência: 73/75 cv (G/E) a 6.250 rpm
Torque: 9,5/9,9 kgfm (G/E) a 4.850 rpm
Peso/potência: 13,2/12,9 kg/cv (G/E)
Peso/torque: 101,8/97,7 kg/kgfm (G/E
Câmbio: manual, 5 marchas
Tração: dianteira
0 a 100 km/h: 14,4/13,8 segundos (G/E)
Velocidade máxima: 154 km/h

Leia também: O adeus ao Uno: donos contam histórias do Fiat mais popular do Brasil

Consumo

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

O consumo do Fiat Mobi é bom para um popular urbano, mas não chega a ser espetacular. Nem nos números oficiais do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, nem naqueles obtidos pela Mobiauto durante uma semana de testes:

Consumo Inmetro: 8,9 km/l (E) e 13 km/l (G) na cidade / 10,1 km/l (E) e 14,1 km/l (G) na estrada.
Consumo Mobiauto: 9,5 km/l em ciclo misto (70% cidade, 30% estrada) com etanol.

Leia também: O engenheiro que ajudou o Fiat Uno a nascer e se aposenta junto com ele

Dirigibilidade e conforto

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

O grande trunfo do Mobi Trekking está em seu conjunto de suspensões. Derivadas do Novo Uno, elas entregam um nível de robustez que o Kwid não chega perto de oferecer. Claro que, por ser um projeto de baixo custo, ele transferirá o impacto de ondulações e buracos para a cabine, mas o faz de modo surpreendentemente competente, sem barulhos nem pancadas secas, e sem acusar batente ou fim de curso.

O conforto só não melhora porque a direção hidráulica dá rebote em vias mais esburacadas, além de os bancos serem finos e duros demais. A posição do banco do motorista não é muito síncrona em relação aos pedais e o volante só conta com ajuste de altura, que ainda é opcional.

As travas são todas elétricas e os vidros, elétricos apenas na dianteira, mas com funções um-toque e antiesmagamento (por essa talvez você não esperasse). Já os traseiros ainda dependem da boa e velha manivela. Pelo menos as caixas de rodas traseiras são afastadas e permitem que se os abra totalmente. Já os retrovisores só são elétricos e com tilt down à direita opcionalmente.

Dados técnicos: direção hidráulica; suspensão independente McPherson (dianteira) e eixo de torção (traseira); freios a disco ventilados (dianteira) e tambor (traseira); peso em ordem de marcha, 967 kg; carga útil, 400 kg; diâmetro de giro, 9,9 m; vão livre do solo, 190 mm; ângulo de ataque, 24°; ângulo central não divulgado; ângulo de saída não divulgado. Tanque de combustível: 47 litros.

Leia também: Chevy 500: a picapinha que já era automática 34 anos antes da Fiat Strada

Segurança e tecnologia

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

Como todo carro de entrada, o Mobi Trekking traz um número acanhado de itens de série. Boa parte dessas limitações já explicamos acima. Com todos os opcionais instalados, o subcompacto fica munido do chamado “kit dignidade” quase completo, faltando apenas os vidros traseiros elétricos.

Fora o que é obrigatório por lei, quase não existem equipamentos extras de segurança. A boa notícia é que o ar-condicionado e a central multimídia UConnect de 7” vêm de série na versão. Esta última surpreende ao ter as mesmas especificações da Fiat Strada, incluindo Android Auto e Apple CarPlay sem fio. 

Duro é achar onde deixar o celular caso precise usar a tomada USB, visto que um smartphone mais moderno não cabe em nenhum dos porta-copos ou porta-objetos do console central. Mas isso é até preciosismo. Não dá para negar que um carro popular do presente trata os usuários bem melhor do que os modelos “pés-de-boi” do passado.

Leia também: Uno Turbo: a desastrosa 1ª experiência da Fiat com motor turbo

Fiat Mobi Trekking 2022 – Itens de série

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

Além dos obrigatórios airbags frontais, freios dianteiros com ABS (antitravamento) e EBD (distribuição eletrônica de frenagem), cintos de segurança de três pontos em todas as posições, encostos de cabeça em todas as posições e ganchos Isofix para cadeirinhas infantis, o Mobi Trekking vem de série com:

Visual: Faróis com máscara negra; barras longitudinais no teto; molduras plásticas nas caixas de roda; rodas de aço aro 14 com calotas escurecidas; para-choques e maçanetas externas na cor do veículo; retrovisores externos com capas pretas e luzes de seta integradas; tampa traseira do porta-malas em vidro estrutural.

Segurança: Sinalização de frenagem de emergência.

Tecnologia: Quadro de instrumentos analógico com computador de bordo digital de 3,5”; central Multimídia UConnect de 7" com Android Auto e Apple Car Play sem fio; volante multifuncional; pneus com baixa resistência à rolagem.

Conforto e acabamento: Chave canivete; travas elétricas nas quatro portas; vidros elétricos dianteiros com função um-toque e antiesmagamento; direção hidráulica; retrovisores externos manuais; ar-condicionado; console de teto; luzes de seta com acionamento rápido; bancos revestidos em tecido; bancos dianteiros com revisteiro nos encostos; banco do motorista com regulagem de altura; banco traseiro rebatível; espelho nos para-sóis e luzes de leitura para motorista e passageiro dianteiro; limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro.

Opcional Pack One (R$ 1.500): Volante com regulagem de altura; cintos dianteiros com regulagem de altura; comando interno de abertura de porta-malas e tanque de combustível; retrovisores externos elétricos com Tilt Down; sensores traseiros de estacionamento. 

Opcional Pack Style (R$ 2.500): Rodas de liga leve 14"; faróis de neblina.

Leia também: Fiat Uno Ciao é a despedida de um dos maiores ícones das ruas brasileiras

Vale a pena comprar um Mobi Trekking?

Versão de topo do subcompacto tem lista interessante de equipamentos, mas só com opcionais que deixam o preço final R$ 4.000 mais caro

Se você faz questão de comprar um carro zero-quilômetro para rodar com agilidade e relativa economia na cidade, que seja até robusto e traga o mínimo de equipamentos de conforto, e não tem uma família grande nem liga muito para espaço interno, sim, o Mobi Trekking pode valer a pena.

Mesmo chegando a quase R$ 70.000 com todos os opcionais, virá com o mínimo daquilo que um carro dos anos 2020 precisa ter e sem custar os quase R$ 100.000 que até um Volkswagen Gol está cobrando atualmente.

Mas é claro que no mercado de usados é possível encontrar opções maiores, mais confortáveis e espaçosas nessa mesma faixa de preços. O Mobi Trekking tem muitas limitações, fato, mas prova que os carros populares do presente ainda têm os seus trunfos.

Imagens: Leonardo Felix/Mobiauto e Divulgação

Você também pode se interessar por:

Fiat Pulse: por que está mais difícil comprar as versões 1.3 que as turbo
Fiat Pulse Abarth, o SUV venenoso de 185 cv que o Nivus GTS não quis ser
O adeus ao Uno: donos contam histórias do Fiat mais popular do Brasil
Exclusivo: Fiat Fastback deve ser o nome do SUV cupê 376

Fiat Mobi
Fiat Mobi Trekking
Fiat Mobi 2022
Avaliação Fiat Mobi
carro mais barato do Brasil
Avaliação Fiat Mobi Trekking
carro hatch
carro subcompacto
carro popular
carro de entrada
Hatch subcompacto
rosto de óculos escuros

Comentários