Avaliação: Caoa Chery iCar, já andamos no elétrico mais barato do Brasil

Subcompacto se sai surpreendente bem no anda-e-para da cidade, mas mostrou limitações acima dos 50 km/h
Por Camila Torres
30.06.2022 às 13h:48 • Att. há cerca de cerca de 1 mês
Subcompacto se sai surpreendente bem no anda-e-para da cidade, mas mostrou limitações acima dos 50 km/h

O Caoa Chery iCar tem 61 cv de potência e 15,3 kgfm, 282 km de alcance no ciclo NEDC, 3.200 mm de comprimento e pesa menos de 1 tonelada. Com esses atributos, chegou como o carro elétrico mais barato à venda no Brasil, sendo comercializado por R$ 139.990.

Não à toa, o pequeno despertou a curiosidade de muita gente. Depois de todos os dados divulgados - a Mobiauto já destrinchou praticamente todos os detalhes do modelo -, o que todos os interessados querem saber é como ele anda.

Anuncie seu carro na Mobiauto

O Caoa Chery iCar foi apresentado oficialmente na primeira quinzena deste mês, mas não foi disponibilizado para teste durante o evento, embora já esteja disponível para pré-venda e para test drive nas lojas. 

Por isso, fomos até a concessionária da marca mais próxima da Mobiauto, a D21, na avenida João Dias, no bairro de Santo Amaro, Zona Sul de São Paulo (SP), para descobrir como o subcompacto elétrico se comporta nas ruas. A experiência foi de apenas alguns quilômetros, mas já nos permitiu ter uma boa noção.

Leia também: Os 10 carros elétricos mais baratos no Brasil em 2022


Design e conforto no primeiro contato

O Caoa Chery iCar não faz o tipo carro bonito, mas é simpático e convidativo. No banco do motorista, a sensação é de conforto. Os bancos não são só bonitos, mas bem acertados. Encaixam bem o corpo e oferecem um espaço até surpreendente na fileira da frente. Sí não sobra muito para quem vai atrás…

O painel é moderno e traz vários elementos que deixam o visual mais sofisticado, como elementos em preto brilhante e metal que simula aço escovado. Além disso, temos quadro de instrumentos digital e uma central multimídia enorme, de 10,25 polegadas.

Subcompacto se sai surpreendente bem no anda-e-para da cidade, mas mostrou limitações acima dos 50 km/h

Tudo isso contribui para aumentar a expectativa ao volante. Inclusive, esta matéria abordará exclusivamente a dirigibilidade do iCar. Para saber mais detalhes do modelo, como itens de série, design e espaço, confira esta matéria aqui

Sem mais delongas, vamos ao teste:


Como anda o Caoa Chery iCar?

Apertei o botão de partida (não é preciso girar a chave no contato!) e pisei no acelerador. O iCar foi de 0 a 50 km/h sem esforços. O torque entregue instantaneamente, como em todo carro elétrico, contribui muito para tamanha agilidade. 

Segundo a Caoa Chery, o iCar vai de 0 a 100 km/h em 12,8 segundos. Sim, é muito para um subcompacto, mas dentro de um ambiente urbano, onde raramente se passa dos 50 km/h, ele tem a agilidade suficiente para arrancar e retomar sem sofrimentos. 

Subcompacto se sai surpreendente bem no anda-e-para da cidade, mas mostrou limitações acima dos 50 km/h

De toda forma, a aceleração acontece de forma gradativa, mas sem nenhum atraso. Porém, quando chegamos em uma via expressa com limite máxima de 90 km/h, começamos a perceber a perda de fôlego. Mesmo pisando mais intensamente no acelerador, o carro demorava para reagir.

Leia também: Os carros elétricos e híbridos mais vendidos no Brasil em 2021

Tive a sensação de ter trocado de carro, pois o comportamento do iCar mudou completamente. E, apesar de motores elétricos serem silenciosos, era possível sentir o esforço do conjunto mecânico para sustentar aquela velocidade. 

Para se ter ideia do que estou falando, dê uma olhada nos números de retomada:

Retomada de velocidade 40-80 km/h: 5,1 segundos
Retomada de velocidade 60-100 km/h: 7,3 segundos
Retomada de velocidade 80-120 km/h: 11,9 segundos

O tempo que o iCar leva para ir de 80 a 120 km/h é quase o mesmo que ele precisa para ir de 0 a 100 km/h. Agora imagine tentar acelerar de 50 a 100 km/h…

Leia também: Avaliação: Renault Kwid E-Tech, 4 pontos cruciais sobre o Kwid elétrico

Subcompacto se sai surpreendente bem no anda-e-para da cidade, mas mostrou limitações acima dos 50 km/h

No entanto, quando questionei o Douglas, vendedor da D21 que me acompanhou no test drive, ele me falou que eu estava rodando no modo Eco. Se acionasse o modo Sport, inclusive, que nessa configuração a entrega de torque chega ao pico.

Já estávamos no fim do teste, mas deu tempo de trocar os modos para perceber que o iCar fica realmente mais esperto. Claro, que não estou falando de uma mudança da água para o vinho. Mas, para retomadas em uma via expressa, ajuda um pouco.

Vale lembrar que é no modo Eco que se preserva uma autonomia mais próxima ao oficialmente declarado. Em modo Sport, quanto mais se pisa, mais cedo é a tendência de a bateria acabar.

Leia também: Afinal, carro elétrico polui mais que a combustão? Este estudo responde

Não chegamos a carregá-lo, mas a boa notícia é que o iCar permite recargas rápidas a uma potência de 50 kW. Para um veículo com baterias de 30,8 kWh, isso significa que 80% da energia pode ser recuperada em até 36 minutos. Em um wallbox de 6,6 kW, são 5 horas de processo. Numa tomada doméstica de 220 Voltas, 11 horas.

 Motor: 61 cv e 15,3 kgfm de torque
Peso/potência: 16,3 kg/cv
Peso/torque: 65 kg/kgfm
0 a 100 km/h: 12,8 segundos
Velocidade máxima: não divulgada
Câmbio: automático

Dados técnicos: direção elétrica assistida; Suspensões independentes nos dois eixos; freios a disco nas quatro rodas; Vão livre do solo: 120 mm;

Autonomia e tempo de recarga: Autonomia: 282 km (ciclo NEDC); Carregador DC de 50 KW – 80% da energia em: 36 minutos; Carregador AC 6,6 kW – carga de 0% a 100% em:  5 horas; Tomada doméstica 220 V – Carga 0-100% em: 11 horas

Balança e muito

Subcompacto se sai surpreendente bem no anda-e-para da cidade, mas mostrou limitações acima dos 50 km/h

O iCar tem suspensões independentes nos dois eixos, inclusive elas foram recalibradas para se adaptarem melhor ao asfalto cheio de desníveis no nosso Brasil. Porém, os ajustes não foram o suficiente, pois o conjunto continua duro e com curso limitado, devido ao porte do modelo. 

Ao passar por uma rua com o asfalto mais desgastado, quem está no habitáculo sente os impactos muito mais diretamente do que em um carro maior. No trajeto, pegamos alguns trechos bem esburacados, que fizeram o carro balançar muito. 

Como estávamos a uma velocidade baixa, os impactos foram amenizados. Essa é uma característica que compromete o conforto a bordo, mas não tanto ao ponto de desistir do modelo por isso.

Leia também: Possível 1º carro elétrico nacional mescla Tesla com Gurgel e Romi-Isetta

Apesar disso, e da carroceria montada com peças estampadas de plástico, rodar com o iCar não passa a sensação de insegurança e vulnerabilidade que um Renault Twizy, por exemplo, gera. Conduzi-lo é como dirigir um carro comum, só que de dimensões menores.


Afinal, o Caoa iChey iCar é bom carro para se dirigir ou não?

A experiência de dirigir o iCar é de altos e baixos. Ele é muito diferente, não apenas por ser elétrico, mas também devido às dimensões extremamente compactas. Mas, para uso na cidade, ele tem uma proposta muito interessante e ágil.

Rodando a até 50 km/h, velocidade que dificilmente é extrapolada em perímetro urbano, o pequenino acompanha perfeitamente o ritmo dos demais veículos, tanto nas saídas de farol quanto, por exemplo, ao ultrapassar um veículo que está a 35 km/h na faixa da direita. Além disso, possui uma boa dose de tecnologia embarcada. 

É claro que ele tem suas limitações: a falta de espaço na fileira traseira e no bagageiro, a alta dose de transferência de impactos e a falta de elasticidade do motor são algumas. Mas isso não será um grande problema para um consumidor comum, que não sai da cidade e roda quase o tempo todo sem passageiros. 

Leia também: É verdade que um carro elétrico não pode ser rebocado? 

De forma geral, o iCar entrega aquilo a que se propõe. Fora que é muito prático e ágil no trânsito e até para achar uma vaga de estacionamento. E o ponto mais alto: como é elétrico, não polui o meio ambiente.

A Mobiauto agradece a concessionária da Caoa Chery da João Dias e a receptividade do vendedor Douglas, que nos cedeu gentilmente o iCar para fazermos o test drive.


Talvez você também se interesse: 

Por que os carros elétricos estão elitizando o mercado e isolando o Brasil
Carros híbridos flex vão inundar o mercado e darão relevância ao etanol
Carros que custavam R$ 50.000 3 anos atrás e hoje custam R$ 100.000
Qual carro elétrico vendido no Brasil vai mais longe com uma recarga? 

Caoa Chery
iCar
Cao Chery iCar
Carro Sub Compacto
Lançamentos Automotivos
Avaliação
Carro Elétrico
rosto de óculos escuros

Comentários