Projeto quer ressuscitar Gurgel Itaipu E-400, o primeiro elétrico nacional

Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP
Por Renan Bandeira
14.01.2022 às 14h:18 • Att. há cerca de 14 dias
Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP

Muito antes da corrida dos carros elétricos - que ganhou mais força na atual década -, a fábrica nacional da Gurgel Motores, localizada em Rio Claro (SP), já tentava fazer história na indústria automobilística nacional.

Primeiro, com o protótipo do minicarro elétrico Itaipu, em 1974, que levava duas pessoas, mas que não chegou a entrar na linha de montagem. Depois, com o E-400, entre 1981 e 1982, um utilitário criado em configurações furgão ou picape com cabine dupla. Este, de fato, foi o primeiro elétrico produzido em série no país. 

Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP

Curioso é que, 40 anos depois, o Itaipu E-400 virou um projeto de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) do curso Veículos Elétricos e Híbridos da pós-graduação da escola técnica Senai “Conde José Vicente de Azevedo”, localizada no bairro do Ipiranga, em São Paulo Capital.

Anuncie seu carro na Mobiauto

O projeto foi idealizado pela turma do curso e Val Arrais, engenheiro especialista em veículos elétricos e híbridos que trabalhou em projetos do Grupo Volkswagen por 30 anos.

Segundo ele, tudo começou quando o veículo foi anunciado em um grupo de carros antigos. “Sempre fui antigomobilista, tenho outros modelos e apareceu a oportunidade de comprar esse Gurgel Itaipu E-400”, conta o idealizador.

Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP

Adquirindo mais informações do carro, descobriu que estava parado há pelo menos 20 anos. Mas nem isso fez o entusiasta desistir do trabalho. Arrais foi conhecer o veículo, acertou a negociação com o então proprietário e correu atrás da documentação para a transferência.

Leia também: Empresa recicla caminhões velhos a diesel e os converte em elétricos

Com tudo acertado, desenvolveu um projeto para apresentar ao Senai. “A ideia é fazer um retrofit [ou uma modernização] do conjunto motriz para o E-400 realmente cair na rua, não para ser um carro de garagem”, esclareceu Arrais.

Todas as partes relacionadas ao motor e ao banco de baterias originais serão substituídas por componentes novos. Assim, além de garantir um motor e uma fonte de energia atualizados, o veículo terá mais potência e autonomia para ser usado no dia a dia.

Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP

O Senai topou a ideia de restaurar o Gurgel nessas condições, e os trabalhos começaram. O primeiro passo foi levar o veículo à escola e planejar as fases do TCC, desenvolvendo um cronograma de execução dos trabalhos. 

“Como o Senai tem várias escolas [mecânica, elétrica, funilaria, pintura etc] dentro da mesma unidade, as partes de funilaria e pintura também serão feitas lá [Conde José Vicente de Azevedo]. Ou seja, toda a restauração será feita no Senai”, explica.

Leia também: O que é a bateria sólida e como ela pode revolucionar os carros elétricos

O projeto ainda está no começo e levará seis meses para ficar pronto, que é o tempo para a conclusão do curso. Além das modificações de motor e baterias, o utilitário ganhará direção atualizada e freios a disco para maior comodidade. “Depois devemos buscar algum sistema para medir a carga da bateria”, completa Val.

Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP

O objetivo da turma é usar apenas peças de fornecedores nacionais. As baterias, por exemplo, serão Moura e devem garantir uma autonomia entre 150 km e 200 km por recarga.

Já o motor está sendo negociado com a Weg. Sua potência deve ser de 15 kWh (ou 20 cv), para alcançar uma velocidade máxima de 100 km/h. No entanto, o especialista ainda aguarda um retorno da fabricante para definir se é esse mesmo o trem de força a ser usado.

Curioso para saber sobre o custo do projeto? Arrais diz que nunca parou para calculá-lo. “Se a gente fizer as contas, desiste do projeto”, conta, rindo. O engenheiro explica que, em outro projeto que executou, só as baterias, parte que demanda maior investimento, custaram R$ 60.000.

Exemplar do utilitário parado há 20 anos será restaurado como um retrofit, com motor e bateria brasileiros, por turma de pós-graduação de SP

Leia também: CES 2022 traz carros que trocam de cor e até matam covid

Essa não é a primeira vez que Val Arrais trabalha em projetos assim, após ter deixado a Volkswagen. O especialista já desenvolveu dois veículos elétricos junto à Moura, que, inclusive, foram apresentados no Salão Latino Americano de Mobilidade Elétrica de São Paulo no fim do ano passado.

Agora, terá uma experiência um tanto diferente na restauração do Gurgel E-400 retrofit. Afinal, além de dar uma nova vida ao elétrico, terá de caprichar no projeto para se formar na primeira turma da pós-graduação de Veículos Elétricos e Híbridos da Faculdade Senai..

Imagens: Val Arrais

Você também pode se interessar por:

O limbo das motos elétricas proibidas de rodar em via pública no Brasil

Brasil está mais para trás na corrida do carro elétrico do que imaginamos

Carros elétricos retrô se inspiram no passado para ditar o futuro

Exclusivo: Renault Mégane voltará ao Brasil elétrico e “quase” SUV


Curiosidades
Curiosidades sobre carros
Restauração de carros
projetos retrofit
carros elétricos
Gurgel elétrico
Gurgel Itaipu
rosto de óculos escuros

Comentários