Fusca, o carro-camaleão capaz de virar Porsche, picape e até Rolls Royce

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações
Por Renan Bandeira
20.01.2021 às 21h:12 • Att. há cerca de 2 meses
Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Hoje é quarta-feira, 20 de janeiro, mais conhecido como o Dia Nacional do Fusca no Brasil. O lendário "sedan" foi o primeiro veículo fabricado pela Volkswagen no mundo, em 1941, e segue como o carro mais carismático já produzido pela marca alemã.

A empresa tinha por objetivo criar o chamado "veículo do povo". Deu certo. Foram mais de 24 milhões de unidades vendidas em sua história, o que o torna o segundo Volkswagen mais popular no mundo em volume de vendas, perdendo apenas para o Golf.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

Claro que sua popularidade deu espaço para algumas bizarrices, principalmente no Brasil. Para homenagear o Fusca em seu dia, a reportagem da Mobiauto listou algumas modificações bizarras que o "besouro" ganhou ao longo de sua vida.

Afinal, se a Volkswagen manteve a identidade visual do Fusca quase intacta durante seus anos de produção, o mesmo não pode se dizer sobre a conduta dos amantes do modelo. Confira:

Fusca Variant

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Sim, essa é uma versão perua do Fusca. Se fosse produzida pela Volkswagen, teria mais sucesso que a Variant? Não dá para saber a resposta, mas a versão foi desenvolvida no exterior pela empresa inglesa Unique Vehicle & Accessory durante a década de 1980.

O Brasil não ficou de fora dessa novidade, claro. Por aqui, existem projetos com o mesmo visual, mas geralmente são feitos por construtores caseiros, que unem a dianteira do Fusca com a traseira da Kombi. 

Avó da Saveiro

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Faltou um tanto de feeling da parte da Volkswagen quando lançou o Fusca. Afinal, porque não uma carroceria com caçamba para o guerreiro?

Brincadeiras à parte, vale lembrar que, na época em que foi lançado, a indústria automotiva não se empenhava em construir famílias de modelos, como a Volkswagen faria mais tarde com Gol, Voyage, Parati e Saveiro na década de 1980. 

Geralmente, os veículos tinham configuração única, e talvez esse seja o motivo por trás de nunca ter havido uma picape Fusca. No entanto, é impossível dizer que essa versão improvisada aqui não ficou ajeitada.

Leia também: Como o aumento de ICMS afetará os preços de carros novos e usados

Sobre duas rodas

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Os amantes do Fusca provavelmente já viram vídeos da Volkspod, a motinha feita com para-lamas do besouro. Quando eu estava na Quatro Rodas, conheci Rogério Jung, dono da oficina Garage 51, que aproveitou o sucesso da moto para criar a versão brasileira Lambrespa.

Com motor de dois tempos, lanterna e farol de Fusca, a invenção ganhou espaço no coração dos amantes do Volkswagen, e já é vista em encontros de clássicos.

Tamanho GG

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Isso mesmo, um Fusca gigante. Fabricado na Califórnia, Estados Unidos, por Scott Tupper e seu pai, o Fuscão é 40% maior que o besouro original - a ideia inicial seria ampliá-lo numa escala de 50%, mas infringiria as leis de trânsito americanas e, então, foi deixada de lado.

Para criar o besourão, pai e filho escanearam todo o VW Fusca 1959 que possuem em um computador. Feito isso, aumentaram os componentes do modelo na medida em que pretendiam e iniciaram a produção dos componentes.

Resultado? Uma réplica perfeita em tamanho GG do Fusca. De diferente, o modelo carrega chassi do Dodge Magnum e seu motor V8 5.7 - um pouco mais parrudo que os boxers a ar, não?

Leia também: 5 SUVs automáticos usados de até 50 mil

Rali

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

O Fusca já é conhecido por ser o tipo de veículo “pau para toda obra”. O famoso Baja é uma das configurações criadas para reforçar a ideia, principalmente quando o assunto é encarar dunas.

A configuração nasceu na Califórnia, Estados Unidos, na década de 1970. Ela tem ar mais off-road e conta com uma suspensão elevada para superar circuitos fora de estrada. Além disso, conta com modificações nos pára-lamas para aumentar o curso de trabalho do conjunto pneu-roda.

Roupa esportiva

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

O Fusca passou longe de ser esportivo, mas sabemos da relação que o modelo tem com os primeiros Porsche, principalmente quando se trata do motor boxer.

Na década de 1950, a empresa alemã Okrasa já realizava preparações nos Volkswagen. Mas mostrou que ainda não era o bastante quando lançou, em 1973, um Fusca com visual inspirado no Porsche 935, que era movido pelo motor boxer seis-cilindros de 255 cv.

O Brasil também tem suas peculiaridades. Aqui os Fuscas também ganham upgrade de potência, mas geralmente o motor boxer é substituído por um AP da linha Gol ou Santana, e até conjuntos de Subaru são usados.

Leia também: As seis melhores dicas para comprar um carro usado

Lagartão

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Achou o Baja cabuloso? Olhe bem para este aqui. Afinal, um Fusca que troca as rodas do eixo traseiro por esteiras, iguais às de tanque de guerra, não é visto todos os dias.

Não tem como negar que a modificação é brazuca. Sem as portas e todo adaptado para enfrentar as estradas de lama, o Fusquinha ganha alma de 4x4. 

Convenhamos: o dono levou a sério a frase “para qualquer terreno” e criou uma versão ainda mais off-road que o Baja.

Hot Rod

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Criada nos Estados Unidos, a cultura Hot Rod consiste na customização de veículos antigos. É comum ver modificações em Ford das décadas de 1920 e 1930, mas isso não quer dizer que o besouro passe ileso por essa cultura.

Não mesmo! Na internet, podem ser vistas variantes conversíveis, picapes, furgões, Fusca com portas suicidas, teto rebaixado, pneus gigantes e até com motor dianteiro. 

A cultura foi expandida. Em São Paulo, por exemplo, existe a Escuderia BadBug, uma oficina especializada em criar Volksrods - que são Fuscas modificados e que recebem características presentes nos projetos Hot Rods norte-americanos.

Leia também: Como economizar no seguro: 10 formas de obter desconto

Grã-fino

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Dias de glória para o Fusca? O Volkswagen sempre foi um modelo popular, mas a imagem mostra que ele já vestiu uma roupa mais sofisticada para ganhar um ar elegante neste tipo de modificação. 

A moda surgiu nos Estados Unidos - ainda na década de 1960 - e foi implantada no Brasil pela Edmorba, empresa responsável pela produção do capô em fibra de vidro com desenho inspirado nos luxuosos Rolls-Royce.

Para ganhar o novo visual, bastava fazer a troca da tampa original pelo kit “Mini Rolls”.

Cornowagen

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Esta é a única mudança da lista feita pela própria fabricante. Vimos acima uma adaptação para deixar o Fusca mais sofisticado, certo? Pois a própria Volkswagen já havia tentado adicionar mudanças no besouro para torná-lo mais premium na década de 60.

Para isso, tentou introduzir no sedanzinho um teto solar. A ideia da empresa alemã era alinhar o produto nacional com o vendido na Europa. No entanto, o infame apelido Cornowagen estragou tudo. 

Ele surgiu porque diziam que a abertura do teto era para dar espaço para acomodar um motorista traído, já que haveria mais espaço ali para seus chifres. Ah, o humor brasileiro... A brincadeira prejudicou o marketing do veículo e a Volkswagen desistiu da modificação meses depois do lançamento.

Você também pode se interessar por:

SUV vs sedan: qual tipo de carro vale mais a pena?
SUV vs picape: 6 duelos para você saber qual a melhor opção
Os 10 SUVs mais ágeis para comprar por até R$ 100 mil
19 elétricos e híbridos que serão lançados no Brasil em 2021 


FuscaVolkswagenDia Nacional do FuscaFusca modificadoAdaptações em FuscaCornowagenBajaFusca picapeFusca furgãoVW SedanBesouro
Comentários