Câmbio automatizado de uma embreagem morre no Brasil. E não fará falta

Fim de linha do Fiat Cronos GSR marcou a aposentadoria de um sistema pouco eficiente.
Por Leonardo Felix
22.10.2020 às 18h:37 • Att. há cerca de 1 mês
Fim de linha do Fiat Cronos GSR marcou a aposentadoria de um sistema pouco eficiente.

Não há mais carros oferecidos no Brasil com câmbio automatizado de apenas uma embreagem. O Fiat Cronos GSR, último modelo do tipo em comercialização no país, saiu do configurador da marca italiana nesta semana, conforme atentado pelo site Autos Segredos.

A mudança foi aplicada ao sedan compacto ainda na linha 2020. Em breve, o modelo importado da Argentina entrará no ano-modelo 2021. Como a Mobiauto já adiantou, sua grade passará a trazer o novo logotipo da Fiat. Além disso, a versão 1.3 GSR será definitivamente abandonada do catálogo.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe 

Por enquanto, o Cronos com motor 1.3 Firefly flex de 109 cv com etanol seguirá existindo apenas com câmbio manual de cinco marchas. Em 2021, porém, é bem provável que tanto o três-volumes quanto o Argo e também a picapinha Strada ganhem caixa CVT na configuração de 1,3 litro.

O câmbio automatizado monoembreagem surgiu com a proposta de oferecer a mesma comodidade de um automático com conversor de torque (dispensando as trocas manuais e também o pedal da embreagem, porém com custo de aquisição e manutenção muito mais barato.

Leia também: VW Taos de R$ 130 mil corta luz da grade e faróis inteligentes

Fim de linha do Fiat Cronos GSR marcou a aposentadoria de um sistema que chegou como alternativa barata aos automáticos, mas cheia de imperfeições

Para tanto, o sistema era nada mais do que uma caixa convencionalmente manual assistida por um sistema eletro-hidráulico a ela acoplada, responsável por automatizar o desacoplamento da embreagem e o trabalho de subir ou descer marchas.

Na prática, porém, todos os sistemas oferecidos no mercado, em maior ou menor grau, notabilizaram-se pelo excesso de trancos nas trocas, pelas respostas lentas nas reduções, pelas patinadas nas embreagens e, por vezes, até pelo travamento da caixa em neutro.

Leia também: 22 SUVs que serão lançados no Brasil em 2021

A Chevrolet foi a primeira marca generalista a apostar na tecnologia no país, com o câmbio Easytronic. Também foi a primeira a abandoná-la, em 2014, passando a apostar no sistema automático de seis marchas que hoje compõe praticamente toda sua gama no país.

Fim de linha do Fiat Cronos GSR marcou a aposentadoria de um sistema que chegou como alternativa barata aos automáticos, mas cheia de imperfeições

No ano seguinte surgiu o Dualogic, da Fiat, que depois foi rebatizado para GSR e se tornou o mais longevo de todos, sobrevivendo até este ano. O I-Motion, da Volkswagen, veio logo depois e morreu em 2019. Outra a ter uma caixa do tipo foi a Renault, com a Easy’R.

Aos poucos, todas as fabricantes perceberam que valia mais a pena investir em câmbios automáticos de verdade (CVT ou com conversor de torque), mesmo cobrando mais caro. Afinal, já não existe mais carro automático abaixo de R$ 60 mil em nosso mercado.

Ainda assim, aparentemente os automatizados de uma embreagem farão pouca ou nenhuma falta entre os consumidores.

[video]

Você também pode se interessar por:

Exclusivo: VW e-Up! será o primeiro carro elétrico da marca no Brasil
Como economizar no seguro do carro? 10 formas de conseguir desconto
Qual versão do novo Renault Duster 2021 vale mais a pena?

sedan compactocarro sedancâmbio automáticocarro automático
Comentários