Avaliação: Porsche 911 GT3, esportivo raiz que resiste aos elétricos de luxo

Enquanto o primo Taycan ganha cada vez mais espaço, icônico cupê tenta manter acesa a chama e estridente o ronco dos esportivos com motores a combustão
Por Camila Torres
15.09.2021 às 11h:00 • Att. há cerca de cerca de 1 mês
Enquanto o primo Taycan ganha cada vez mais espaço, icônico cupê tenta manter acesa a chama e estridente o ronco dos esportivos com motores a combustão

Errata: as fotos anteriores que ilustravam esta matéria não eram do Porsche 911 GT3. Cometemos um erro na hora de subir os arquivos.

Por mais entusiasmantes que sejam os supercarros elétricos, está ainda longe o dia em que o ronco do motor 4.0 boxer aspirado do Porsche 911 GT3 não vai acelerar os corações dos entusiastas por um esportivo puro-sangue. O cupê já resistiu aos propulsores turbinados e se mostra também blasé diante da eletrificação.

Sendo assim, o Porsche Taycan vai brilhar por mais alguns anos sozinho como superpositivo elétrico da marca. Afinal, o novo Porsche 911 GT3 desembarcou no Brasil com uma receita para lá de raiz (e cada vez mais em extinção): motor aspirado a gasolina. Os números mostram que era exatamente o que o público queria. 

Anuncie seu carro sem pagar na Mobiauto

Custando R$ 1.149.000, o novo 911 GT3 teve as 40 unidades do primeiro lote trazido ao Brasil esgotadas rapidamente. Mas pode acalmar o coração que de onde vieram esses tem mais. Tanto que um segundo lote já foi encomendado para atender os brasileiros que querem um carro de corrida homologado para andar nas ruas.

Sim, porque o Porsche 911 GT3 é um esportivo na sua mais pura concepção. São poucas as rodovias brasileiras onde é possível explorar seus predicados. A pista fechada certamente é o ambiente mais divertido para ele.

Enquanto o primo Taycan ganha cada vez mais espaço, icônico cupê tenta manter acesa a chama e estridente o ronco dos esportivos com motores a combustão

Tampouco é um carro para viagens ou para rodar na cidade com conforto: os bancos de fibra de carbono revestidos em couro com costuras que combinam com a cor da carroceria são os melhores para um track day no autódromo, mas nada confortáveis para horas e mais horas de trânsito. 

Leia também: Avaliação: Porsche Taycan, elétrico que faz esportivos raiz comerem poeira

Outro ponto é que é necessário ter muito autocontrole para não extrapolar os limites de velocidade. Afinal, são necessários apenas 3,4 segundos para ir de 0 a 100 km/h. São dois piscares de olhos para o seu cérebro reptiliano abrir as asas e ultrapassar aquela parte da mente responsável pela racionalidade.

Por isso, para chegar ao ápice da experiência de guiar o novo Porsche 911 GT3, o melhor lugar é onde você pode criar suas próprias leis: uma pista fechada. 

A fabricante alemã escolheu o autódromo Velocittà, no interior do Estadp de SP, para um dia de experiência. Lá, nós, meros mortais jornalistas, pudemos usufruir um pouco de cada máquina da marca, inclusive o novo 911 GT3, atual suprassumo da esportividade na marca.

Há quem diga que perde o sono na véspera de dirigir um clássico esportivo como esse, mas comigo não foi assim. O Porsche 911 GT3 só me apavora quando está perto o suficiente para mexer com os meus sentidos, seja com o rugido raivoso do motor, com o cheiro peculiar dos pneus depois de rodarem muito no asfalto quente ou quando coloco minhas mãos no volante e entendo que agora somos só ele e eu. 

Leia também: Quanto custam os carros mais baratos de marcas de luxo no Brasil?


O que mudou? 

Vários números mudaram na nova geração do Porsche 911 GT3. Um dos principais feitos do modelo foi ser o primeiro carro de produção com propulsor aspirado a percorrer os 20,8 km de extensão do circuito de Nürburgring Nordschleife, na Alemanha, em menos de 7 minutos. Para ser mais precisa, foram 6min59s927. Isso significa que o superesportivo foi 16 segundos mais rápido que seu antecessor. 

Isso só foi possível graças a diversas alterações feitas na carroceria e nos sistemas do modelo, como a parte de baixo da carroceria em carbono e vidros mais leves. Quem tiver mais R$ 23.700 para investir no cupê pode levar uma unidade com o teto também em carbono).  O modelo também ganhou 10 cv a mais e quase um kgfm de torque. 

Mas o principal responsável pelo ganho de performance foram os ajustes aerodinâmicos. O capô em carbono, o assoalho reto e o novo para-choque casado a mais algumas mudanças diminuíram o arrasto, tornaram mais eficientes a refrigeração dos freios e melhoraram em 150% o downforce.

Enquanto o primo Taycan ganha cada vez mais espaço, icônico cupê tenta manter acesa a chama e estridente o ronco dos esportivos com motores a combustão

Leia também: Avaliação: por que o Volvo XC40 híbrido é um carro 5 estrelas

As suspensões inteiramente ajustáveis também mudaram: o conjunto dianteiro tem braços duplos triangulares transversais, conjunto comumente usado em carros de pista, já que dá mais segurança para movimentos laterais. Além disso, reduz a fricção dos amortecedores, aumenta a taxa de cambagem e oferece melhor compensação nos mergulhos em frenagens.

A arquitetura traseira é MultiLink como deve ser, com cinco braços. Para completar, a sétima geração ganhou novas molas e amortecedores.

O Porsche 911 GT3 foi construído realmente para fazer da pista seu habitat. O modelo conta com trem de válvulas rígido, lubrificação por cárter seco com sete bombas de sucção e tratamento de plasma para reduzir o desgaste do trem de força e da transmissão.

Leia também: Comparativo: vale gastar o dobro de um Toyota Corolla em um Camry?

Para completar as tecnologias de pista, o motor conta com pistões de alumínio e bielas de titânio forjadas, injeção de combustível com 250 atmosferas de pressão e coletor de admissão leve com dois flaps de ressonância. Para finalizar, a enorme asa traseira usa o ar como braços para grudar o carrão no chão e deixá-lo ainda mais veloz.


Como é dirigir o Porsche 911 GT3?

O Porsche 911 GT3 é tão tinhoso quanto a Ferrari 488 Pista é arisca. Em ambos os casos, não recomendo desligar os controles de estabilidade e tração sem experiência para tanto, pois não é qualquer um que tem braço para domar um puro sangue de quatro patas ou quatro rodas.

Outra regra para dirigir um carro como esse é que você precisa saber que quem é agressivo é o carro: você precisa ser educado para ele te obedecer, aí, minha cara senhora ou caro senhor, ele estará na sua mão, como um animal de estimação que dorme do lado da sua cama.

Mas se tentar ser tão feroz quanto ele, tenha certeza que domar um animal arisco inclui riscos letais. É possível se divertir bastante com vários carros da Porsche, mas o 911 GT3 é para quem quer se divertir mais. Porém, a combinação de motor traseiro e tração traseira exigem que o condutor tenha muito mais experiência também.

Leia também: Este carro usa energia solar para ir mais longe que um modelo a diesel

Enquanto o primo Taycan ganha cada vez mais espaço, icônico cupê tenta manter acesa a chama e estridente o ronco dos esportivos com motores a combustão

Adrenalina e uma boa dose de endorfina é o que esse superesportivo oferece. Viciante o suficiente para você querer sempre mais. 

Ao contornar as curvas mais sinuosas e afundar o acelerador em linha reta, o homem e a máquina se tornam quase uma coisa só. Os comandos vão ficando cada vez mais precisos e as respostas do carro, tão instantâneas quanto respirar. 

Quem guia um Porsche 911 GT3 precisa saber três coisas: acelerar, frear e girar o volante com o cuidado de quando se aprende a dirigir, mas com a maestria de quem faz isso há anos.

Leia também: Carros voadores: o que já é realidade e o que ainda não passa de sonho

Motor: 4.0 traseiro, longitudinal, seis cilindros em linha, 24V, aspirado, gasolina, duplo comando no cabeçote, injeção direta de combustível, taxa de compressão 13,3:1
Desempenho: 510 cv a 8.400 rpm e 47,9 kgfm de torque a 6.100 rpm
0 a 100 km/h: 3,4 segundos
0 a 200 km/h: 10,8 segundos
Velocidade máxima: 318 km/h
Peso/potência: 2,8 kg/cv
Peso/torque: 30 kg/kgfm
Câmbio: PDK, automatizado, 7 marchas
Tração: traseira

Dados técnicos: direção elétrica / suspensão dianteira: independe, braços sobrepostos e molas helicoidal / suspensão traseira: independente, multibraço e molas helicoidal / freios dianteiros e traseiros: discos sólidos / pneus e rodas dianteiros: 255/35 R20 / pneus e rodas traseiros: 315/30 R21 / diâmetro de giro: 10,4 / coeficiente de arrasto: 0,34


Principais itens de série Porsche GT3

Enquanto o primo Taycan ganha cada vez mais espaço, icônico cupê tenta manter acesa a chama e estridente o ronco dos esportivos com motores a combustão

  • Ar-condicionado digital de duas zonas
  • Bancos com memória e ajuste elétrico somente      de altura
  • Câmera de ré
  • Todo o conjunto óptico de LED
  • Sistema de áudio Bose
  • Espelhos retrovisores antiofuscantes e      rebatíveis eletricamente
  • Cluster e central multimídia de 7 polegadas      compatível com Apple CarPlay

Talvez você também se interesse:

Avaliação: Porsche Taycan, elétrico que faz esportivos raiz comerem poeira
10 Carros que foram pioneiros em tecnologia no Brasil
Como o golpe do Talibã no Afeganistão afeta o futuro dos carros elétricos
Quanto custam os carros mais baratos de marcas de luxo no Brasil?

Porsche
Porsche 911 GT3
Supercarros
Taycan
Carros de luxo
Supercarros lançamentos
rosto de óculos escuros

Comentários