Dono da 1ª Ram 1500 no Brasil tem uma Dodge 1971 e foi ao Alasca de picape

Primeira unidade entregue no país foi para cliente do PR entusiasta das picapes da marca e que possui ainda uma 2500 na garagem
Por Leonardo Felix
27.04.2021 às 15h:33 • Att. há cerca de 5 meses
Primeira unidade entregue no país foi para cliente do PR entusiasta das picapes da marca e que possui ainda uma 2500 na garagem

A pré-venda da Ram 1500 mostrou o melhor e o pior do mercado brasileiro nesta pandemia, como bem observou o colunista da Mobiauto Zeca Chaves em um artigo de dezembro do ano passado. As 100 unidades disponibilizadas custavam mais de R$ 400.000, o que assustou a todo, mas ainda assim se esgotaram em 18 horas.

Conforme prometido pela Stellantis na época, os exemplares da picape média-grande começaram a chegar no fim deste mês ao país. E o primeiro cliente a receber a sua 1500 foi o empresário Claudio Teixeira, de Ponta Grossa (PR). 

Anuncie seu carro sem pagar na Mobiauto

Primeira unidade entregue no país foi para cliente do PR entusiasta das picapes da marca e que possui ainda uma 2500 na garagem
O empresário do ramo de transportes Claudio Teixeira com sua nova 1500

Para buscá-la, Teixeira se deslocou cerca de 275 km até uma concessionária de Londrina, no norte do estado. De lá, já rodou os primeiros 300 km de volta para casa[MH1] . Depois, emendou outros 500 km de ida e volta até o litoral paranaense. “Já fiz mais de 850 km até agora”, conta o empresário do ramo de transportes.

O mais curioso, porém, é que a 1500 Rebel adquirida por Claudio terá companhia de outras duas picapes da mesma fabricante na garagem, ambas com currículo de respeito. A primeira é uma 2500 Laramie 2020, importada do México. A segunda, uma Dodge D-100 1971 nacional em estado impecável de conservação, adquirida há cerca de três meses já com placa preta.

Leia também: Como a Fiat fez um motor 1.3 ser o turboflex mais forte do mundo

Em comum com a 1500, a D-100 é igualmente equipada com um motor V8 naturalmente aspirado a gasolina. Porém, enquanto o Hemi 5.7 da sobrinha-neta, linha 2021, rende 400 cv de potência e 56,7 kgfm de torque, o LA 318 de 5,2 litros da veterana dos anos 70, herdado do Dodge Dart, tem 198 cv e 42 kgfm.

Nada mau para os padrões da época, visto que a D-100 chegou ao mercado em 1970 como a picape mais potente do país. Sua produção era em São Bernardo do Campo (SP). E se considerarmos que a velha “Dodginha” pesava só 1.650 kg, quase 1 tonelada a menos do que 1500, percebemos o quanto a tia-avó impunha respeito quando se fala em desempenho.

Leia também: VW Polo 2022 ganha central do Nivus, mas deixa visual novo para... 2022

Primeira unidade entregue no país foi para cliente do PR entusiasta das picapes da marca e que possui ainda uma 2500 na garagem
Primeira Ram 1500 a ser entregue a um comprador no Brasil tem caçamba que se abre para baixo ou de maneira bipartida para os lados, como uma Fiat Toro

O problema é que o resto do projeto não acompanhava a celeridade do “veoitão”. Tanto a direção quanto os freios a tambor nas quatro rodas entregavam respostas lentas. 

Além disso, a avidez do motor LA 318 por gasolina em plena crise do petróleo e a ausência de versões a diesel com tração 4x4 fizeram muitos consumidores perderem o interesse pela D-100 diante das rivais Chevrolet C-10 e Ford F-100, ambas equipadas com usinas de quatro cilindros mais econômicas e racionais.

Leia também: Hyundai HB20 2022 poderá ser controlado pelo dono a distância

Tanto que, em apenas seis anos de produção no Brasil, a Dodge D-100 teve pouco mais de 2 mil unidades produzidas. Muitas delas, vendidas a frotistas, foram sucateadas. Ou seja, o exemplar que Claudio Teixeira tem em mãos, ao lado das novas 2500 e 1500, é raro e merece todas as reverências por parte das sobrinhas-netas importadas.

Sobre a 2500, esta é da versão Laramie e vem equipada com um propulsor Cummins seis-cilindros em linha a diesel de 6,7 litros, com 365 cv e absurdos 110,7 kgfm. E o empresário não pretende se desfazer dela.

Leia também: Carro elétrico é o “Lula x Bolsonaro” do setor automotivo

Primeira unidade entregue no país foi para cliente do PR entusiasta das picapes da marca e que possui ainda uma 2500 na garagem
Claudio Teixeira já foi até o Alasca com uma Ram 2500 2016, antecessora de sua atual 2500 ano-modelo 2020. Com a atual, empresário já viajou do Paraná ao Rio Grande do Norte

“É o meu carro de viagem. Há pouco tempo fui até o Rio Grande do Norte com ela e, no mês que vem, irei para o Centro-Oeste”, afirma. Antes, Claudio possuía uma 2500 de penúltima geração, ano-modelo 2016, com quem chegou a viajar até o Alasca. 

Já a 1500 será mantida para uso mais urbano e viagens curtas de fim de semana. “Quero curtir com os netos, mas também ir ao trabalho às vezes”, completa. 

Você também pode se interessar por:

Fiat Toro diesel de quase R$ 200.000 queria ser Ram 1500
As 6 melhores picapes 4x4 cabine dupla entre R$ 50 mil e R$ 60 mil
Seis picapes que serão lançadas no Brasil em 2021
Picapes explodem em vendas na crise e viram queridinhas do mercado
As picapes médias mais fortes do Brasil

ram 1500
dodge ram 1500
dodge ram 2500
ram 2500
picape grande
picape v8
picape raiz
picape
picape 4x4
rosto de óculos escuros

Comentários