Os caminhões bicudos que mais marcaram as estradas brasileiras

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada
Por Leonardo Felix
09.12.2020 às 13h:23 • Att. há cerca de mais de 1 ano
Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

A Mercedes-Benz anunciou na última terça-feira (8) o lançamento de uma edição especial do clássico Atron 1635, marcando a despedida do último caminhão “bicudo” ainda em produção no Brasil. Serão apenas 12 unidades numeradas, oferecidas no showroom virtual da marca, que foi desenvolvido em parceria com a Mobiauto.

Além da numeração de 01 a 12, a edição limitada proporcionará ao proprietário um certificado, adesivação especial, rodas de alumínio, climatizador interno, geladeira portátil e rádio com entrada USB.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe 

A despedida encerra um ciclo de 31 anos de história dessa linha de caminhões bicudos da Mercedes no país, e nos leva a questionar: por que esses modelos, tão amados pelos caminhoneiros – que, inspirados nos clássicos bicudos americanos, alegam que modelos desse tipo oferecem mais conforto e segurança a bordo -, entraram em extinção em nosso país?

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

Bem... A resposta está em nossa legislação. Nos EUA, a medição das dimensões de um caminhão leva em consideração a cabine e a carreta de modos separados. Isso significa que os implementos são classificados independentemente do tamanho da cabine.

Leia também: “Dirigi um caminhão pela 1ª vez, e foi logo o gigante VW Meteor”

Aqui, o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) se baseia no conjunto cavalo mais implemento para chegar aos padrões, que, somados, devem ter um máximo de: 14 metros (simples); 18,15 m (articulado); 19,8 m (com reboque); 30 m (biarticulado).

Sendo assim, um caminhão bicudo, também conhecido como de cabine semiavançada, “rouba” alguns centímetros implementos em nosso país. Melhor investir em modelos de cara achatada, menos compridos, o otimizar assim o espaço destinado ao transporte da carga, não é mesmo? 

Leia também: Hyundai HB20 e Ford Ka zeram novo teste de segurança do Latin NCAP

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

É por isso que, além de achatados, nossos caminhões mais modernos também têm uma cabine quase sempre estreita e alta, passando longe do espaço interno dos cultuados bicudos americanos. Outra alegação dos empresários é que nossos caminhões de cara chata são mais leves e eficientes. Com isso, gastam menos combustível.

“Com o passar do tempo, esse tipo de veículo [caminhões de cabina semiavançada] foi perdendo espaço no mercado brasileiro, sendo substituído pelos modelos com cabina avançada, ou cara chata, até que chegou o momento de dizer adeus”, afirmou Ari de Carvalho, diretor de Vendas e Marketing Caminhões da Mercedes-Benz do Brasil, na divulgação de série de despedida do Atron 1635.

Leia também: As picapes médias mais fortes do Brasil

Todavia, os bravos “bicudos” ajudaram por muitos anos um país de dimensões continentais e pífia infraestrutura ferroviária a se desenvolver, mesmo que aos trancos e barrancos, chegando a rincões pouco ou nada acessíveis.

Em homenagem a eles, a Mobiauto relembra cinco dos principais caminhões “bicudos” que rodaram em nossas estradas. Deixamos de fora algum modelo que você considera importante? Basta mencioná-lo nos comentários.

Leia também: As seis melhores picapes 4x4 diesel entre R$ 50 mil e R$ 60 mil

Mercedes-Benz AGL – 1964 a 88

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

Talvez nenhum “bicudo” seja tão icônico em nossas rodovias quanto a série Mercedes AGL, os populares “Mercedinhos”, que se tornaram símbolo de um período de crescimento acelerado da economia brasileira, especialmente nos anos 1960 e 70.

Lançada no fim da década de 50, mas com chegada ao país ocorrendo em 64, a família era composta por modelos icônicos, como o 1111 e o 1113, mas fez ainda mais sucesso com os lendários L-1313 e L-1513, trucados, além do LB-2213, traçado e dotado de tração 6x4.

Em suas configurações mais sofisticadas, trouxe inovações como motor seis-cilindros com injeção direta de 130 cv, câmbio com acionamento da reduzida por ar comprimido (girando um botão no seletor). As suspensões traziam feixe de molas transversal na dianteira e dois feixes longitudinais na traseira.

Leia também: Ram 1500 terá só motor V8 a gasolina e custará R$ 400 mil

Mercedes-Benz HPN/Atron – 1989 a 2020

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

Trazida com a dura missão de substituir o já cansado AGL, a linha HPN (também conhecida como Série L) da Mercedes-Benz trazia um conceito de cabine semiavançada mais com cara de anos 80: cheia de traços e ângulos retos, formando uma cara “quadrada”. Além disso, era mais espaçoso e confortável que o antecessor.

A linhagem foi formada por modelos icônicos, como os L 1618, 1418A (de uso militar) e 1620 (o semipesado mais vendido do país por oito anos), ou os LS 1935, 1941, 1938 (primeiro cavalo-mecânico com gerenciamento eletrônico da marca) e 1632 (famoso pelo uso na área de construção civil).

Em 2011, a marca renovou a gama da família e adotou o nome Atron, usado até o encerramento de seu ciclo de vida. Com ele, o modelo carregou por longos anos o título de “último caminhão bicudo à venda no país”.

Leia também: Os 10 carros mais importantes lançados em 2020 no Brasil

Scania L 111 “Jacaré”

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

Apesar de ter tido vida relativamente curta, com produção no país por apenas cinco anos (de 1976 a 81), o Scania L 111 (depois renomeado para L 111S) vendeu quase 10 mil unidades em nossas terras e se tornou um ícone de nossas estradas, principalmente pelo uso da clássica pintura laranja.

Vinha equipado inicialmente com motor turbinado de 203 cv, que depois passou a 264 cv e, finalmente, 305 cv. Ganhou o apelido de “Jacaré”, o mesmo de seus antecessores das linhas L 75, 76 e 110, por causa do bico muito proeminente e com abertura do capô para cima.

Ficou famoso pela durabilidade e pela manutenção relativamente simples, com custos baixos.

Leia também: Fiat Strada Volcano é uma boa “picape de passeio”?

Scania Série 3

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

Uma das maiores lendas entre os caminhões bicudos brasileiro, certamente, é a linha Série 3 da Scania, produzida e vendida no Brasil entre 1991 e 98. Possui, até hoje, o modelo mais vendido pela marca em nosso mercado, o T 113, responsável por mais de 26 mil unidades comercializadas no período.

Trazia mimos interessantes para a época, como cabine com leito ou com teto maior, e vendas sob encomenda, oferecendo itens mais personalizados de acordo com a demanda de cada cliente. Tinha, ainda, o propulsor mais forte de sua época, um 11-litros de 360 cv, que mantinha a tradição de manutenção barata e fácil.

Leia também: Fiat Strada Volcano aguenta o tranco como a antiga?

Volvo N10

Com o anúncio de uma série de despedida do Mercedes Atron, país ficará órfão dos cultuados caminhões de cabine semiavançada

Apesar de atuar no país desde 1936, a Volvo só tomou a decisão de ter uma fábrica local de veículos pesados no fim dos anos 70. Em 1980 saía de lá o primeiro caminhão nacional da marca, o N10, dotado de motor turbodiesel com 263 cv e câmbio ZF com oito marchas altas mais oito reduzidas, somando 16 velocidades.

Sua cabine semiavançada foi uma das pioneiras no conceito de modelos “quadradões”, com bom aproveitamento de espaço interno e leito generoso para os padrões da época. Trazia, ainda, tecnologias como painel de instrumentos completo, freio a ar comprimido e direção hidráulica. 

Você também pode se interessar por:

Os 10 melhores carros com motor turbo abaixo de R$ 100 mil
Os 10 melhores hatches na faixa de R$ 70 mil
SUVs para PCD estão em extinção: veja alternativas

Mobiauto: um jeito inteligente de comprar carro.

caminhão
caminhão bicudo
veículo pesado
transporte de carga
caminhão clássico
mercedes-benz caminhão
mercedes-benz atron
volvo caminhões
scania caminhões
rosto de óculos escuros

Comentários