Uno Turbo: a desastrosa 1ª experiência da Fiat com motor turbo

Compacto custava o equivalente a R$ 150.000 na época, mais do que um Tipo. Caro demais para um “popular”, não bateu nem 2.000 unidades vendidas
Por Renan Bandeira
06.05.2021 às 18h:36 • Att. há cerca de 1 mês
Compacto custava o equivalente a R$ 150.000 na época, mais do que um Tipo. Caro demais para um “popular”, não bateu nem 2.000 unidades vendidas

A Stellantis já apresentou sua nova família GSE de motores turboflex com opções 1.0, ainda sem potência e torque confirmados para o Brasil, mas que rende 120 cv e 19 kgfm com gasolina na Europa, e 1.3 de 180/185 (gasolina/etanol) cv e 27,5 kgfm, que já está presente nas linhas 2022 de Fiat Toro e Jeep Compass

Na última terça-feira, a marca italiana apresentou durante a final do Big Brother Brasil 2021 seu novo SUV - ainda sem nome, mas que se chamará Domo, Pulse ou Tuo -, que usa como base a estrutura do hatch compacto Argo. Será ele o primeiro a receber o trem de força 1.0 GSE T3, com três cilindros e 12 válvulas.

Confira o valor de seu carro na nossa Tabela Fipe

Mas esses não são os primeiros carros turbinados oferecidos pela Fiat por aqui. Antes disso, ainda na década de 1990, quando não se pensava em propulsores turbinados, a montadora trouxe ao mercado o Uno 1.4 Turbo com 116 cv e 17 kgfm.

A nova tecnologia foi uma virada de jogo para o pequeno compacto, que foi lançado  com objetivo de substituir o 147 e ser o zero-km mais barato do Brasil. A versão esportiva era sucessora das 1.5R, 1.6R e 1.6R MPI - esta última com injeção eletrônica multiponto -, e dava ao Uno o título de primeiro carro com turbo nacional.

Compacto custava o equivalente a R$ 150.000 na época, mais do que um Tipo. Caro demais para um “popular”, não bateu nem 2.000 unidades vendidas

Mas a experiência não foi tão boa quanto o esperado. O Uno Turbo foi fabricado entre maio de 1994 e abril de 1996, e teve apenas 1.801 unidades vendidas. O baixo volume tem por trás alguns importantes fatores, como o visual exagerado e as poucas cores disponíveis, o alto valor do projeto e a aceitação do mercado.

Leia também: Confirmado: novos Compass, Toro e Jeep de 7 lugares turboflex terão 180 cv

O Uninho turbo foi lançado como uma resposta a Ford Escort XR3, Gol GTI e Kadett GSI. A seu favor, acelerava melhor, com 0 a 100 km/h em 8,96 segundos, e ainda tinha melhor velocidade final que a dos concorrentes, 192 km/h.

Mas a dirigibilidade não era tão segura. Com desempenho de carros maiores empurrados por motores 2.0, o compacto era leve demais para tanta potência e não oferecia a estabilidade de um esportivo, mesmo com a suspensão independente nos dois eixos e rebaixada, por conta da arquitetura de “caixotinho”.

Compacto custava o equivalente a R$ 150.000 na época, mais do que um Tipo. Caro demais para um “popular”, não bateu nem 2.000 unidades vendidas

Direção hidráulica, freios a disco do irmão maior Tempra, teto solar e interior esportivo eram outros pontos favoráveis. No entanto, o design externo carregado com spoilers nos pára-choques traseiro e dianteiro, as saias laterais e a gama de cores restrita a amarelo, vermelho ou preto deixavam o visual um tanto exagerado. 

Leia também: Como a Fiat fez um motor 1.3 ser o turboflex mais forte do mundo

Além disso, a Fiat sentiu o que é ter um carro de entrada com projeto mais elaborado no Brasil, algo que a Volkswagen também viu com a morte precoce do Up! - que a Mobiauto já contou

Embora fosse mais bem acabado, possuísse mais itens de série e motor tecnológico, o Uno ainda mantinha a figura de popular, mas com preço de esportivo importado. 

Enquanto as opções mais básicas custavam entre R$ 7.000 e R$ 8.000 em 1994, o que em valores corrigidos daria entre R$ 45.000 e R$ 55.000 nos dias atuais, o Uno Turbo era oferecido por R$ 22.493, valor que, corrigido aos tempos atuais, daria (respire fundo!) cerca de R$ 150.000 segundo a correção pelo IPCA.

Compacto custava o equivalente a R$ 150.000 na época, mais do que um Tipo. Caro demais para um “popular”, não bateu nem 2.000 unidades vendidas

Com o preço elevado, a versão passou a concorrer com categorias de degraus mais altos, aproximando-se em valor do hatch médio VW Golf GTI Mk3, importado, que partia de R$ 27.900. Era, inclusive, mais caro que o irmão maior Tipo, que custava R$ 17.000 na época. Tudo isso tornou sua vida ainda mais difícil.

Leia também: Os 20 carros com motor turbo mais vendidos no Brasil

Outro ponto que prejudicou é que o sistema de turboalimentação era novo e gerava desconfiança pela complexidade da arquitetura do motor no mercado, que preferia os veículos de Volkswagen, Chevrolet e Ford com motores naturalmente aspirados, de aplicação simples e apenas com capacidade cúbica maior.

Compacto custava o equivalente a R$ 150.000 na época, mais do que um Tipo. Caro demais para um “popular”, não bateu nem 2.000 unidades vendidas

Com baixo volume de vendas, o pequeno Uno Turbo saiu de linha para dar espaço ao Palio, que chegava ao Brasil para se posicionar entre Uno e Tipo no catálogo de opções da Fiat. 

A marca italiana ainda tentou emplacar mais veículos turboalimentados entre o fim da década de 90 e o começo dos anos 2000, com Tempra e Marea. Depois, na virada para a década de 2010, aventurou-se com Punto e Bravo T-Jet, equipados com uma usina 1.4 turbo.

Nenhum deles, porém, chegou perto do sucesso conquistado pelos motores turbinados atuais, e que se espera que os modelos 1.0 T3 e 1.3 T4 GSE tenham no mercado nacional.

Talvez você também se interesse por:

Seis picapes que serão lançadas no Brasil em 2021
22 SUVs que serão lançados no Brasil em 2021
13 hatches e sedans que serão lançados no Brasil em 2021
Picape Fiat para brigar com Hilux e S10 está a caminho


Fiat UnoFiat Uno TurboFiat Uno 1.4 TurboFiat com motores turboMotores turbo da FiatMotor turboflex FiatFiatcarro compactocarro compacto turbo

Comentários