Os carros que tiveram os aumentos de preço mais absurdos em 2020

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil
Por Renan Bandeira
01.12.2020 às 17h:19 • Att. há 3 meses
Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

 Novembro foi o mês da Black Friday, mas não é desta vez que vamos falar de descontos. A reportagem da Mobiauto listou os modelos que registraram os maiores aumentos de preços nos primeiros 11 meses de 2020.

Na maioria dos casos envolvidos nesta lista, os veículos são importados. Esse é um dos principais fatores que justificam a alta. Afinal, as fabricantes são atingidas diretamente pela desvalorização cambial, especialmente quando o veículo vem de fora.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

Desde o início deste ano, a desvalorização do real frente ao dólar cresceu muito.  Como comparação, no início de janeiro um dólar equivalia a cerca de R$ 4. Na última segunda-feira (30), um dólar estava cotado a R$ 5,34. É uma desvalorização de mais de 33%. 

Mesmo entre os carros nacionais, os valores são afetados pelos componentes tecnológicos que precisam ser trazidos do exterior.

Leia também: Jeep Compass 2022 fica maiorzinho e muda mais por dentro que por fora

Para piorar, os índices de inflação (IPCA), embora baixos no acumulado do ano - 2,22% de IPCA entre janeiro e outubro, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) -, têm apresentado aceleração mais forte nos últimos meses.

Sem muitas saídas, as fabricantes parecem repassar os custos adicionais para o valor do produto final sem muito pudor. Em alguns casos, os reajustes chegam a superar a faixa de 50% ou R$ 100 mil. E olha que nem vamos falar de marcas premium ou de luxo... O resultado assustador é este aqui, confira! 

Toyota Prius

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O Prius foi a aposta da Toyota ainda na década de 1990 para integrar a tecnologia híbrida na indústria automotiva. O modelo é vendido no Brasil em versão única com motor 1.8 de 98 cv auxiliado por um elétrico de 72 cv. É o mesmo trem de força usado pelo Corolla Hybrid, porém movido apenas a gasolina.

Importado do Japão, o modelo podia ser comprado em janeiro por R$ 128.530. Agora, sai da loja por R$ 184.990. O aumento de R$ 65.460 no período é equivalente a  R$ 50,93%.

Toyota Camry

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O sedã da Toyota é vendido em versão única no Brasil e segue de perto o irmão menor Prius na velocidade dos reajustes. Equipado com motor V6 3.5 de 310 cv, ele é importado do Japão e posicionado acima do Corolla no catálogo da marca. 

Em janeiro deste ano, era vendido por R$ 206.200. Agora, é encontrado por R$ 309.990. O aumento é de R$ 103.790 ou 50,33%.

Peugeot 208

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

A nova geração do Peugeot 208 chegou ao mercado nacional no início deste semestre - confira avaliação completa aqui. Os valores atuais do hatch foram comparados com os do início do ano, respeitando as versões, que são as mesmas da geração passada.

O encarecimento do novo 208 rendeu o terceiro lugar do pódio ao compacto. Na geração antiga, a versão Allure era comercializada por R$ 66.290. Na atual, parte de R$ 90.990, um aumento de R$ 24.700 ou 37,26%.

Chevrolet Montana

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

A velha Chevrolet Montana não esteve entre os três veículos com maiores aumentos por detalhe. Entre janeiro e novembro deste ano, a veterana picapinha registrou uma alta de 36,78% em seu valor, convertida em exatos R$ 20.300.

Desde 2010 com o mesmo visual, visto que é derivada do extinto hatch Agile, a Montana 1.4 LS teve o preço elevado de R$ 55.190 para R$ 75.490 em 2020.

Leia também: Peugeot Landtrek leva mais carga que Hilux com menos potência que Toro

Toyota RAV4

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Vindo do Japão, o Toyota RAV4 tem sofrido com fortes altas em seu preço desde a estreia da última geração no Brasil, ainda no ano passado. Por aqui, o SUV é vendido apenas nas opções híbridas S e SX, com três motores elétricos que auxiliam o propulsor a combustão 2.5. A potência combinada é de 222 cv.

Ambas as versões tiveram aumento elevado em suas etiquetas. Mas o destaque negativo vai para a SX Hybrid, que registrou uma alta de 36,75% nos 11 primeiros meses do ano, saltando de R$ 195.990 para R$ 266.990.

Volkswagen Jetta

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O sedan da marca alemã é vendido no Brasil nas versões Comfortline, R-Line e GLI. A de entrada e a intermediária são movidas pelo motor 1.4 turbo 250 TSI de 150 cv, enquanto a topo de linha usa o 2.0 turbo 350 TSI de 230 cv.

A opção responsável por trazer o modelo a este ranking é a de entrada Comfortline, que passou de R$ 99.990 em janeiro para R$ 132.350 em novembro, registrando um aumento de R$ 32.360 ou 32,36%.

Chevrolet S10

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

A picape da GM segue tentando tomar o lugar da Toyota Hilux para ser a picape média mais vendida do país. Comercializada com motores flex 2.5 e turbodiesel 2.8, é vendida em oito versões cabine dupla.

Entre elas, a que registrou a maior alta foi a LT automática movida pelo motor 2.5 Ecotec flex. Esta passou de R$ 125.990 no primeiro mês do ano para R$ 162.590 no penúltimo, um acréscimo de R$ 36.600 ou 29,05%.

Leia também: Caoa fará 10 novos carros de Chery, Hyundai e Exeed no Brasil

Nissan Versa

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O sedan compacto chegou à sua segunda geração neste ano. Com visual renovado, motor 1.6 de 114 cv herdado do Kicks e quatro versões, ficou mais próximo do irmão maior Sentra tanto em design quanto em preço.

A opção que se destacou mais negativamente foi a de topo - antes chamada de SL e que na nova geração responde por Exclusive. Se no começo do ano ela custava R$ 72.190, atualmente sai por R$ 92.990. Alta de 28,81% ou R$ 20.800.

Mitsubishi L200 Sport

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Neste ano, a picape ganhou um profundo tapa no visual e novo câmbio automático de seis marchas para brigar com as também renovadas Chevrolet S10 e Toyota Hilux. Ao mesmo tempo, viu seu preço ir às alturas. A versão GLS mostrou a maior alta percentual ao longo do ano, 28,48%, subindo de R$ 150.990 para R$ 193.990.

Avaliando as cifras absolutas, as opções com maiores aumentos foram HPE e HPE-S, ambas reajustadas em R$ 47.000. Assim, elas escalaram de R$ 170.990 e R$ 190.990, respectivamente, para R$ 217.990 e R$ 237.990.

Peugeot 3008

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O Peugeot 3008 é o único veículo importado da Europa que compõe o levantamento. Posicionado entre os SUV 2008 e 5008 no catálogo da marca francesa, o modelo é equipado com o já conhecido 1.6 THP de 165 cv. 

Quem comprou o francês em janeiro por R$ 154.990 se deu bem, porque o modelo está partindo de R$ 195.990 em novembro, um aumento de R$ 41.000 - equivalente a 26,45%.

Seu irmão de sete lugares, 5008, não estaria nesta lista por si só percentualmente falando, mas também sofreu um reajuste significativo ao longo do ano: passou de R$ 194.790 para R$ 221.590, ou 13,75%.

Leia também: Nova Hilux: de R$ 145 mil a R$ 250, veja versões e equipamentos

Kia Grand Carnival

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Importada da Coreia do Sul, a Grand Carnival é vendida no Brasil em versão única, equipada com motor V6 3.3 de 270 cv. Em janeiro, era comercializada por R$ 292.990. Agora, parte de R$ 369.990. O aumento de R$ 77.000 é um dos maiores em valores reais, representando 26,28%.

Kia Sportage

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O SUV da marca sul-coreana é produzido no México. No início do ano, o modelo era oferecido em duas versões: LX e EX. A de entrada partia de R$ 117.990, enquanto a de topo era comercializada a partir de R$ 159.990.

Atualmente, o Sportage é encontrado em versão única, EX, por R$ 197.990. Entre janeiro e novembro, a alta desta versão em específico foi de R$ 38.090, o que equivale a 23,81%.

Volkswagen Amarok

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

A Amarok teve um ganho de potência para a linha 2021, que devolveu à picape o título de mais forte da categoria. Equipando as versões topo de linha, Highline e Extreme, o propulsor V6 3.0 rende agora 258 cv de potência, com picos de 272 cv usando overboost.

No entanto, o ganho de potência foi um dos gatilhos para o forte aumento dos preços do veículo. A picape registrou uma alta de R$ 46.100 na versão Extreme entre janeiro e novembro de 2020. Dos R$ 210.290 cobrados no começo do ano, ela passou a custar R$ 256.390 agora, reajuste percentual de 22,08%.

Ford Ranger

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Assim como a Volkswagen Amarok, a Ford Ranger faz parte do time de modelos que partem da Argentina rumo ao Brasil. Por aqui, a picape pode ser encontrada em sete versões, com opções de motores diesel 2.2 e 3.2.

A configuração Limited, topo de linha, passou de R$ 192.790 no primeiro mês do ano para R$ 229.190 no penúltimo, registrando um aumento de R$ 36.400 no período, ou 20,87%.

Leia também: Toyota SW4 2021 está mais tecnológico, forte e caro

Nissan Frontier

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O modelo teve fortes altas em todas as versões, mas o destaque mais negativo ficou com a Attack 4x4 automática, movida pelo motor 2.3 bi-turbodiesel de 190 cv.  

Entre janeiro e novembro, o salto registrado foi de 20,06%, ou R$ 31.700, fazendo o veículo passar de R$ 157.990 para R$ 189.690.

Renault Sandero

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

O hatch da marca francesa chegou ao ranking graças à sua versão de entrada Life 1.0 com câmbio manual. O veículo é vendido atualmente em duas versões e motores 1.0 82 cv e 1.6 118 cv.

A opção de entrada registrou uma alta percentual de 19,59% em seu valor entre janeiro e novembro deste ano, equivalente à R$ 9.400. A versão custava R$ 47.990 no início do ano e agora parte de R$ 57.390.

Volkswagen Polo

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

A marca alemã emplacou três modelos no ranking das maiores altas. Depois de Jetta e Amarok, o hatch Polo também aparece na lista com uma alta de 19,61% em seu valor no acumulado de janeiro até novembro deste ano.

A versão 200 TSI Highline é a responsável por trazer o modelo ao levantamento, com aumento de R$ 15.100 no período: antes, saía por R$ 76.990; agora, por não menos de R$ 92.090.

Kia Sorento

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Assim como a Volkswagen, a Kia completou a tríplice, mas com o Sorento. Prejudicada principalmente com a alta do dólar, a marca fez os preços de seus modelos importados dispararem.

O SUV é um dos exemplos. Com a versão V6 3.5 passando de R$ 229.990 no início do ano para R$ 274.990 agora, registrou uma alta equivalente a 19,57% - ou R$ 45.000 - no período.

Leia também: VW Taos deve ganhar uma irmã gêmea picape até 2023

Chevrolet Joy

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Líder de vendas do mercado nacional durante anos, a antiga geração do Onix foi mantida em linha como Joy a partir da linha 2020. Em janeiro, o veículo poderia ser comprado por R$ 47.690 na opção 1.0 manual. Agora, nao sai da loja por menos de R$ 56.890.

Durante o período, a alta foi de R$ 9.200 ou 19,29%. O aumento fez o veículo aparecer no levantamento de forma surpreendente, já que se trata de um veículo de entrada e líder de vendas entre os modelos mais populares.

Peugeot 2008

Modelos principalmente importados sofreram com o dólar alto e etiquetas disparam, com reajustes por vezes acima de 50% ou R$ 100 mil

Por último e não menos importante, o SUV 2008 fecha a lista dos 20 maiores aumentos de 2020. Entre janeiro e novembro deste ano, a alta da versão Allure Pack 1.6 foi de R$ 15.000, que equivale a R$ 18,75%. Quem pagou R$ 79.990 em janeiro pode ficar feliz, porque o SUV não sai das lojas por menos de R$ 94.990 em novembro.

Você também pode se interessar por:

Seis picapes que serão lançadas no Brasil em 2021
Picapes explodem em vendas na crise e viram queridinhas do mercado
As picapes mais fortes do Brasil
1ª picape elétrica do mundo está no Brasil, mas é robusta como uma a diesel

Carros com maiores aumentosHatchesPicapesSUVsCarros ficaram mais carosSedans
Comentários