Esta bateria nuclear promete dez vezes mais energia para carros elétricos

Um quadradinho com 1,5 cm em cada lado e apenas 5 mm de espessura, potência de 100 microwatts e uma capacidade diária de 8,64 J
HG
Por
23.02.2024 às 21:36
Um quadradinho com 1,5 cm em cada lado e apenas 5 mm de espessura, potência de 100 microwatts e uma capacidade diária de 8,64 J

A startup chinesa Beijing Betavolt abalou as estruturas do setor automotivo, no final de janeiro, com a apresentação de sua nova bateria nuclear automotiva, denominada BV100, que fornece dez vezes mais energia e alcança 50 anos de duração, sem necessidade de recarga nem manutenção.

 Você pode se interessar por:

A novidade promete embarcar nos automóveis a mesma tecnologia dos geradores termoelétricos de radioisótopos (RTG), que produzem eletricidade por meio do efeito ‘seebeck’, usando termopares para converter o calor liberado pela decomposição de material radioativo.

Trata-se do mesmíssimo princípio já usado nos conjuntos e geradores que fornecem energia para satélites e sondas espaciais, como a da missão Cassini, lançada em outubro de 1997 e que operou durante quase 20 anos, pousando um módulo na lua Titã e passando por entre os anéis internos de Saturno, antes de entrar na atmosfera do planeta e ser destruída.

“Apresentamos a primeira bateria do mundo que miniaturiza a energia atômica. Trata-se de um produto que pode atender a demandas energéticas de longa duração em vários cenários, desde o aeroespacial, passando por robôs, drones, microprocessadores, equipamentos de medicina avançada e provedores de inteligência artificial (IA)”, destaca o presidente-executivo (CEO) da Betavolt, Zhang Wei. Estamos falando de um insumo que faria com que um smartphone jamais necessitasse de recarga e que um drone, que hoje voa por 15, 20 minutos, operasse indeterminadamente.

A BV100 é muito compacta, um quadradinho com 1,5 cm em cada lado e apenas 5 mm de espessura – a bateria pode ser usada em série ou paralelo. Sua potência é de 100 microwatts, com voltagem de 3 V, e uma capacidade de 8,64 joules diários e 3.153 J anuais – para o ano que vem, a Betavolt planeja lançar uma versão com 1 W de potência. Produzida em camadas, a bateria mitiga riscos de incêndio ou explosão e demonstra bastante resiliência ao operar em uma faixa de temperaturas que vai de 60 graus Celsius negativos (-160° C) a 120 graus, portanto de um frio polar a um calor infernal.

 

Então, quer dizer que os EVs serão equipados com baterias nucleares, no futuro?

Custo e radioatividade

“É recomendável irmos com calma, porque, neste momento, a BV100 apresentada é apenas um protótipo e, mesmo sabendo o quão rápida e eficiente é a Betavolt, não há nenhuma informação sobre o preço deste insumo. A partir dos detalhes divulgados pelo próprio fabricante, sabemos que as baterias nucleares são mais leves e compactas que as de íon de lítio, extensivamente usadas nos dias de hoje”, pondera o diretor de conteúdo do portal “Engeneering”, James Anderton. “Outro aspecto interessante é o ciclo de vida de cinco décadas, bem como uma perspectiva de reciclagem bastante simples, em que bastaria passá-las de um EV usado para um novo, criando uma nova cadeia”, acrescenta.

 

Em termos de sustentabilidade, as baterias de energia atômica são ecologicamente corretas, já que, após o período de decaimento, o isótopo radioativo de níquel-63 (Ni-63) se transforma em um isótopo estável de cobre. A Betavolt também frisa que não há emissão externa de radiação e que, ao contrário dos pacotes atuais, a bateria nuclear é uma fonte de energia física e, não, eletroquímica. Por isso, ela pode armazenar 3.300 megawatts-hora em apenas um grama. Até aí tudo bem e pode funcionar, mas a que custo?

Ao que parece, depois de ter conquistado uma posição quase hegemônica no fornecimento de baterias de íon de lítio, a China mira, agora, baterias nucleares com a ambição de alcançar, no médio e longo prazos, uma espécie de monopólio da eletricidade.

 “É uma inovação que, na prática, corta este ‘cordão umbilical’ tecnológico”, pontua Anderton.

Receba as reportagens da Mobiauto via Whatsapp

Este texto contém análises e opiniões pessoais do colunista e não reflete, necessariamente, a opinião da Mobiauto.

Bateria nuclear chinesa
Bateria nuclear
Bateria nuclear chinesa BV100
Bateria nuclear mais energia
Bateria nuclear chinesa mais energia
Bateria nuclear chinesa BV100 mais energia
Bateria nuclear chinesa BV100 50 anos sem recarga
Bateria nuclear chinesa 50 anos sem recarga
Bateria nuclear chinesa pequena
Bateria nuclear pequena
Pequena bateria nuclear
Pequena bateria nuclear chinesa

Comentários