Toyota Corolla Cross chega para ser o que a Fielder não conseguiu

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua
Por Leonardo Felix
04.03.2021 às 21h:55 • Att. há cerca de 1 mês
SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

O Toyota Corolla é um dos carros de melhor reputação no mercado brasileiro. Chamem-no do que quiserem - carro de tiozão, vovorolla etc -, mas o fato é que sua credibilidade em nosso mercado, enquanto modelo que oferece conforto e confiabilidade, é praticamente imaculada.

Tanto que a fabricante japonesa apostará em seu renome para lançar o Corolla Cross. Que, conforme já adiantamos, será revelado em 11 de março e chega às lojas até o dia 25, custando provavelmente entre R$ 160 mil e R$ 200 mil.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

O SUV aproveitará não apenas o nome Corolla, mas a plataforma TNGA-C (com a suspensão traseira simplificada para eixo de torção e entre-eixos de 2,64 m, 6 cm a menos que o do irmão), a motorização (2.0 flex de 177 cv e 1.8 híbrido flex de 123 cv) e boa parte das tecnologias (com uma dose até um pouco maior) já presentes na 12ª geração do sedan.

É claro que a Toyota não quer que o Corolla Cross roube clientes do sedan, mas sim que some. Até por isso ele custará mais caro. Será o degrau entre o três-volumes e o RAV4. E se um cliente procurar uma concessionária perguntando pelo sedan, o vendedor está instruído a sequer mencionar o SUV (a não ser que sinta que vai perder o negócio).

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

O desejo dos japoneses, na verdade, é que a dupla forme uma família imbatível no mercado de automóveis médios, capaz de manter a liderança do três-volumes em seu segmento e fazer o SUV brigar de frente com novo Jeep Compass e o VW Taos entre os SUVs tipo C. 

Leia também: Toyota Etios: patinho feio da marca morre sem virar cisne

Na verdade, Corolla e Corolla Cross formarão um duo que tem tudo para fazer sucesso de maneira perene no mercado, replicando de modo mais bem-sucedido o que a própria Toyota tentou fazer com o Corolla de nona geração (o popular “Brad Pitt”) e a perua Fielder nos anos 2000.

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

A distinção, além do fato de um modelo ser SUV e a outra ter sido uma station wagon, está no fato de que o Corolla Cross tem tudo para fincar raízes firmes em nosso país, sobrevivendo bem mais tempo do que os meros quatro anos de ciclo brasileiro da Fielder.

Esta foi lançada em 2004 como modelo de apoio ao Corolla 9, que aportara em nosso mercado duas primaveras antes. Era construída sobre a mesma plataforma e replicava toda a carroceria e os traços do sedan do balanço dianteiro até a coluna B. Também tinha a mesma largura (1,70 m) e o mesmo entre-eixos (2,60 m).

Leia também: Os 15 SUVs mais lentos vendidos no Brasil

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

Porém, era 5 cm mais alta (1,53 m), por usar barras longitudinais de teto, e curiosamente 8 cm menos comprida (4,45 m contra 4,53 m). Por isso, ao mesmo tempo em que seu porta-malas permitia carregar cargas mais altas, tinha um volume de 411 litros até o tampão, contra 437 l do Corolla três-volumes.

O motor era o mesmo 1.8 quatro-cilindros aspirado 16V a gasolina do sedan, incluindo cabeçote de alumínio e variador inteligente de fase (VVT-i). Rendia 136 cv de potência e 17,5 kgfm de torque. A produção ocorria junto com o Corolla em Indaiatuba (SP).

Além do balanço traseiro estilo vagão, incluindo uma terceira fila de janelas laterais, lanternas e para-choque traseiro exclusivos, a Fielder recebia outros mimos visuais para se diferenciar do Corolla: rodas de liga leve inéditas, spoiler traseiro, faróis com máscara negra e grade frontal com acabamento escurecido. 

Leia também: Como declarar seu carro no Imposto de Renda

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

O primeiro ano da perua em nosso mercado foi um sucesso: a Toyota esperava emplacar mais de 4.500 unidades, mas fechou 2004 com 4.700 exemplares comercializados, bem mais do que as rivais Fiat Marea Weekend e Peugeot 307 SW eram capazes de entregar.

Em 2005 o número subiu para quase 8.500 e, no seguinte, bateu a porta dos 10.000. Em 2007, veio à baila a configuração flex do motor 1.8 e as vendas ficaram novamente acima de 9.000 unidades. O problema é que, a partir de então, o fôlego da Toyota acabou.

A fabricante já desenvolvia a décima geração do Corolla para o mercado brasileiro e não quis investir numa dupla de modelos. Um motivo especial para isso é que o Corolla havia perdido terreno para o revolucionário Honda New Civic. Era preciso reagir.

Leia também: Estes são os 5 carros que a Renault fará no Brasil com R$ 1,1 bilhão

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

A marca queria concentrar todas as forças e a capacidade da fábrica de Indaiatuba para fazer o sedan retomar a liderança. Conseguiu, mas o custo disso foi uma queda vertiginosa da produção da Fielder já em 2008, para menos de 3.000 unidades, e a consequente descontinuação do modelo em meados daquele ano com a chegada do Corolla 10.

Na realidade, a derivação station wagon do Corolla seguiu em linha em pouquíssimos mercados na décima geração, como Japão e Nova Zelândia. No resto do globo, como na América do Norte e na Europa, também foi tirada de linha.

Leia também: O que é o Progetto 363, SUV da Fiat que será prêmio do vencedor do BBB

SUV tenta formar dupla imbatível com o Corolla sedan no mercado de carros médios, e deve viver bem mais tempo do que a extinta perua

Com o Corolla Cross isso dificilmente irá acontecer. Por quê? Primeiro, por um fator muito simples: é um SUV, não uma perua, portanto terá um protagonismo de mercado que a Fielder jamais conseguiria. Além disso, foi um projeto pensado para contemplar mercados emergentes, como Brasil e Tailândia. Tem, portanto, um custo produtivo relativamente baixo. 

E como sua produção ocorrerá em Sorocaba (SP), não depende de nenhum ajuste no volume do irmão para entrar em linha. (Na verdade, o sacrificado da vez será o veterano Etios). Em comum, apenas o fato de também ter um porta-malas menor que o do sedan (440 litros ante 

Por fim, seguindo a atual tendência de nosso mercado, é o Corolla sedan quem fica mais ameaçado de um possível ostracismo. Já o Corolla Cross vem para surfar a onda crescente dos utilitários esportivos e viver bons anos por aqui, tornando-se quiçá o modelo mais vendido pela marca no Brasil.

Saudades da Fielder? Veja ofertas da perua em nosso classificado

Você também pode se interessar por:

Estes 9 carros serão os principais lançamentos de 2021
22 SUVs que serão lançados no Brasil em 2021
13 sedans e hatches que serão lançados no Brasil em 2021
Quais carros mais subiram e quais mais caíram nas vendas em 2020?  

toyota corolla crosssuv toyotatoyota corolla suvtoyota fieldertoyota corolla fieldercarro suvsuv médioperuaperua vs suv

Comentários