Como é a lei que obrigará todas as fabricantes a terem carros híbridos

Entrada em vigor do Proconve L8 vai mudar as regras de emissões no Brasil no ano que vem
FP
Por
16.02.2024 às 23:15
Entrada em vigor do Proconve L8 vai mudar as regras de emissões no Brasil no ano que vem

Volkswagen, Stellantis, Renault, Nissan e outras. Montadoras estão empenhadas na corrida para a eletrificação da frota nacional. Estão anunciando investimentos em plataformas híbridas e que vão virar realidade em breve. Isso porque as regras de emissões vão mudar a partir do ano que vem com a entrada da oitava fase do Proconve, programa criado em 1990 para controlar o quanto os carros vendidos aqui poluem.

A chamada L8 entra em vigor em janeiro de 2025, mas ainda de uma forma mais branda. Em 2027 começa a ficar mais restrito e ainda mais a partir de 2029. Em todas elas, o governo cobrará que as fabricantes tenham “novos limites máximos de emissão de poluentes de forma corporativa”, e não de maneira individual por modelo.

Você também pode se interessar por:

Enquanto a sétima fase do programa exige um máximo de emissões de 80 mg/km de Nmog + Nox (gases orgânicos não metanos + óxidos de nitrogênio) para carros de passeio, a oitava reduzirá o teto para 50 mg/km para automóveis e 140 mg/km para comerciais leves flex e diesel. As metas serão cobradas com base em uma média de todos os automóveis ou comerciais leves flex de uma mesma marca, não mais de forma individual por modelo.

A partir de 2027, porém, a média corporativa por marca, para carros de passeio, passará a 40 mg/km de Nmog + Nox. O número cairá para 30 mg/km, nas mesmas condições de cálculo, na terceira etapa, em 2029 —este último ainda está passível de revisão, a depender do sucesso das fases anteriores. Assim, para manter em linha veículos só a combustão, mais antigos, simples e baratos, as fabricantes precisarão compensar o catálogo com outros produtos híbridos e elétricos.

Aí que entram essas plataformas híbridas. A Stellantis, dona de marcas como Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën, vai começar a fazer carros sobre a STLA Hybrid ainda neste ano. O primeiro modelo ainda é um mistério, mas se sabe que será feito em Goiana (PE). De lá, hoje, saem a Fiat Toro, a RAM Rampage e os Jeep Renegade, Compass e Commander. O modelo certamente será flex, mas poderá ser híbrido comum ou até leve, um motor elétrico menor que ajuda o propulsor a combustão.

A Volkswagen também anunciou a MQB Hybrid, que será usada na picape Tarok em São José dos Pinhais (PR). O sistema elétrico será ligado ao motor 1.5 TSI Evo2 a ser feito em São Carlos (SP).

Mesmo caminho será o da Nissan, que já anunciou a nova geração do Kicks e um SUV médio nacional. E um deles, ou ambos, será híbrido. O sistema da marca, chamado e-Power, funciona com dois motores —um a combustão e outro elétrico—, mas a unidade térmica atua como um gerador de eletricidade para o elétrico que, este sim, traciona o carro.

Com a chegada dessas tecnologias, motores tradicionais a combustão devem desaparecer. O 1.4 TSI da Volkswagen será substituído pelo 1.5. O 1.6 16V usados por Peugeot e Citroën já estão com os dias contados, enquanto o 1.8 da Chevrolet Spin terá seu último ciclo de vida antes de desaparecer.

 Receba as reportagens da Mobiauto via Whatsapp

Carro hibrido
SUV Hibrido
Carro elétrico
Carro hibrido no Brasil
Marcas que tem carro hibrido
Carro Hibrido Proconve L8
Sedan híbrido
Picape híbrida

Comentários