Avaliação: vale comprar o Hyundai Creta atual com o novo para chegar?

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?
Por Renan Bandeira
17.04.2021 às 11h:00 • Att. há cerca de 5 meses
SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

O Hyundai Creta foi lançado no Brasil em 2017, e logo no ano seguinte se tornou o SUV compacto mais vendido no mercado. Depois, a competição no segmento aumentou e, ainda em sua primeira geração, o modelo tem a dura missão de brigar com Volkswagen T-Cross, Chevrolet Tracker, Nissan Kicks, Jeep Renegade e cia.

Como a Mobiauto já contou, o SUV da marca coreana ganhará uma segunda geração ainda este ano por aqui, com visual ainda mais polêmico que o do novo HB20. Este Creta totalmente repaginado já existe na China, onde responde por iX25, na Índia e, mais recentemente, no México. Clique aqui para conhecê-lo melhor.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

Assim como o HB20, a segunda geração do Creta bem poderia ser considerada um facelift profundo, visto que não haverá troca de plataforma. Ainda assim, as mudanças serão extensas. Será que ainda vale a pena comprar um Creta da linha atual com o novo prestes a desembarcar?

Testamos o Creta Prestige 2.0 automático atual, que custa R$ 116.790, e listamos seus pontos positivos e negativos para saber se o SUV atual ainda rende um bom caldo. Veja:

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

Como o Creta anda

O motor 2.0 aspirado flex é o segundo mais potente da categoria, ficando atrás apenas do 1.6 THP de 173 cv (gasolina/etanol) que move o Citröen C4 Cactus. Rende 156/166 cv e 19,1/20,5 kgfm de torque (gasolina/etanol) e move os quase de 1,4 tonelada de peso do SUV sem esboçar preguiça. 

Durante nossa avaliação, principalmente na estrada, o SUV mostrou bom desempenho nas acelerações e retomadas de velocidade, sendo mais esperto que um Nissan Kicks 1.6, ou C4 Cactus 1.6 aspirado ou um Jeep Renegade 1.8,  outros exemplos de SUV compacto sem propulsor turbinado.

Leia também: Está mais barato comprar este avião do que um Renegade, T-Cross ou Tracker

Motorização: motor 2.0 quatro-cilindros naturalmente aspirado de 156/166 cv (G/E) (a 6.200 rpm) e 19,1/20,5 kgfm (a 4.700 rpm), 16V, injeção eletrônica multiponto, duplo comando variável de válvulas / aceleração de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos e velocidade máxima de 188 km/h / Câmbio automático de seis marchas / Tração dianteira / Cx: não informado.

O ponto negativo ficou por conta do consumo (muito) elevado. O Creta 2.0 parece rodar com o modo “gastão” ligado o tempo todo. De acordo com o Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro, quando abastecido com etanol o modelo tem média de 6,9 km/l na cidade e 8,2 km/l na estrada. Com gasolina, faz 10 km/l e 11,4 km/l, respectivamente. 

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

Mesmo que o tanque tenha 55 litros de capacidade, sua autonomia com álcool em perímetro urbano é de apenas 380 km, o que lhe renderá algumas visitas ao posto.

Leia também: As melhores picapes 4x4 na faixa de R$ 100 mil

O funcionamento do câmbio automático de seis marchas também não é perfeito, principalmente em perímetro urbano. O gerenciamento do motor promove a redução das marchas a giros muito baixos, quase parando o veículo em uma troca de segunda para primeira numa subida íngreme, por exemplo. Em casos assim, melhor reduzir as marchas manualmente através da alavanca.

Consumo: 6,9 km/l (cidade) e 8,2 km/l (estrada) com etanol; 10 km/l e 11,4 km/l, respectivamente, com gasolina.

Um ponto que ajuda a esquecer as reduzidas problemáticas é a suspensão mais firme do SUV, que proporciona uma sensação melhor ao dirigir por deixar o veículo o tempo todo no chão, com mais estabilidade e pouco arrasto nas curvas, ainda que mantenha o conforto esperado para sua categoria.

Os sistemas McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira conseguem assimilar conforto, com boa absorção das irregularidades do solo, e jogo contido da carroceria nas curvas, equilibrando a rigidez dos amortecedores em boa medida.

Leia também: Fusca ganha releitura chinesa e Passat ganha uma... da Hyundai?

Outro importante componente que auxilia na dirigibilidade é a direção elétrica, que no Creta trabalha de forma direta e sem folgas. Junto da posição de dirigir mais alta, aumenta ainda mais a confiança do motorista na condução.

Dados técnicos: direção elétrica progressiva / suspensão dianteira McPherson e traseira eixo de torção / freios dianteiros a disco ventilado e traseiros a tambor / rodas de liga leve aro 17 e pneus 215/60.

Vida no habitáculo

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

A parte interna do Creta 2021 mistura itens ainda atuais com outros mais ultrapassados. Por ser um carro de mais de R$ 110 mil, o painel de instrumentos analógico deixa a desejar, bem como a central multimídia BlueNav de apenas 7 polegadas com Android Auto e Apple CarPlay ainda via cabo.

Entretanto, o bom acabamento interno, com encaixe uniforme das peças e ausência de rangidos dos plásticos rígidos, o carregador de celulares por indução, o ar-condicionado automático com duto para a fileira de trás e o banco do motorista com ventilação são mimos bem atualizados em relação à concorrência.

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

Além disso, é fácil encontrar uma posição boa para dirigir com o ajuste de altura do banco do motorista e a regulagem de altura e profundidade da coluna de direção.

O Creta ainda tem volante multifuncional com comandos para sistema de áudio e controle de cruzeiro, chave presencial e partida por botão. Ah, e ainda que seja um detalhe simples, o vidro elétrico presente nas quatro portas com sistema um-toque para subir e descer e antiesmagamento é bastante agradável.

Leia também: Nova Fiat Toro terá duas caras e bloqueio de diferencial TC+ da Strada

O espaço interno foi outro ponto que impressionou. A Hyundai soube aproveitar o entre-eixos de 2.590 mm - que não está entre os mais generosos do segmento. Com os bancos da primeira fileira ajustados para mim e meus 1,87 m, ainda sobrou um espaço confortável para outro passageiro de mesma altura na fila de trás. 

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

Dimensões: 4.290 mm de comprimento; 1.780 mm de largura; 1.635 mm de altura; 2.590 mm de entre-eixos; peso, 1.339 kg; porta-malas, 431 litros; carga útil, 415 kg; ângulo de ataque, 21º; ângulo central não divulgado; ângulo de saída, 28º; vão livre do solo, 190 mm.

Além disso, mesmo o Creta não sendo um SUV dos mais largos ou altos, garante uma boa distância entre a cabeça dos ocupantes e o teto, e ainda comporta duas pessoas adultas tranquilamente na primeira fileira, com distância confortável para os ombros.

No banco de trás até cabem três adultos, mas já com espaço mais limitado e garantia de “encostões” entre braços, ombros e joelhos. Para quem busca um porta-malas generoso, o Creta tem um dos maiores da categoria: com formato retangular e sem truques, oferece 431 litros quase totalmente utilizáveis.

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

Leia também: Novo Jeep Compass reabre pré-venda. Veja itens das 4 versões

E por fora?

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

O visual, de fato, demonstra cansaço. Afinal, são mais de quatro anos sem mudanças muito profundas. O problema é que a nova geração do Creta terá no design um de seus elementos mais polêmicos.

Os traços exageram no arrojo e no futurismo, ficando desconexos inclusive em relação a outros modelos da Hyundai. Nesse ponto, a sobriedade do Creta atual se mostra muito mais elegante e agradável.

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

Especialmente na versão Prestige, que já incorpora faróis com projetor, faróis de neblina, luzes de condução diurna e lanternas de LED, iluminação lateral Cornering Lamp, que varia a luminosidade de acordo com a direção, e rodas de liga leve de 17 polegadas diamantadas com detalhes pretos.

Leia também: Novo Honda City quer briga com Onix Plus e Virtus sem usar turbo

SUV clama por mudanças visuais, mas entrega bom pacote de equipamento com preço bem abaixo dos concorrentes. Vale a pena?

O que o Creta Prestige oferece

Exterior: faróis com projetor e máscara cromada com iluminação lateral Cornering Lamp; faróis de neblina; luzes diurnas em LED; lanternas com luzes em LED; maçanetas externas cromadas; rodas de liga leve diamantadas de 17” com pneus 215/60 R17; antena do tipo barbatana.

Interior: quadro de instrumentos com mostradores analógicos; volante revestido de couro sintético; bancos de couro na cor marfim com detalhes em marrom; revestimento de porta em couro preto sintético.

Segurança: controle de estabilidade e tração; sinalização de frenagem de emergência no pisca-alerta; assistente de partida em rampa; monitoramento de pressão dos pneus; seis airbags; fixação de cadeirinhas infantis Isofix com Top Tether; alarme.

Tecnologia: computador de bordo digital no quadro de instrumentos; controle de cruzeiro; start/stop, sensores de estacionamento traseiros; câmera de ré com guias dinâmicas; acendimento automático dos faróis, carregador sem fio para smartphones; central multimídia BlueNav de 7 polegadas, com TV digital, GPS, conexão via Bluetooth e conexão com Apple CarPlay e Android Auto via cabo.

Conforto: ar-condicionado automático digital com duto central para a segunda fileira; banco do motorista com ventilação e regulagem manual de altura; vidros elétricos one-touch (descida e subida) e antiesmagamento; chave com sensor presencial; pulseira para destravamento das portas e acionamento do motor; partida do motor por botão; retrovisores externos com rebatimento elétrico automático; retrovisor interno eletrocrômico; volante com regulagem de altura e profundidade.

Leia também: VW T-Cross: os principais problemas, segundo os donos

Conclusão

Vale a pena comprar o Creta atual? Sim. Falta tecnologia, mas na relação custo-benefício ele dá trabalho aos concorrentes: custa mais de R$ 10 mil a menos que as versões de topo de Renegade flex, T-Cross e Tracker, entregando um pacote interessante de equipamentos de conforto.

O motor beberrão pesa mais pontos contra, mas ao menos responde bem às acelerações e retomadas. Na gama de opções do Creta ainda há o motor 1.6 aspirado, também com câmbio automático, para quem busca um pouco mais de economia.

O visual mais sóbrio e elegante é o ponto crucial para não esperar a próxima geração se você não liga tanto assim para a vanguarda de design. O velho Creta pode estar desatualizado em relação aos concorrentes e ser menos tecnológico do que o novo será, mas seus traços ainda enchem mais os olhos do que os do novo.

*Imagens: Renan Bandeira

Você também pode se interessar por:

Toyota Corolla Cross: como os japoneses farão um sedan virar SUV
Confirmado: Toyota Corolla Cross será lançado até abril de 2021
Novo Compass, Taos e Corolla Cross: diferenças de motor e dimensões
Mistério do 1º A3 Sedan nacional: por que Audi Senna está parado há 5 anos?


Hyundai Creta
Hyundai Creta atual
Hyundai Creta 2020
Hyundai Creta 2021
Novo Hyundai Creta
Avaliação Hyundai Creta
SUV Compacto
Hyundai
Creta Prestige
Creta Prestige 2.0
Avaliação
Avaliação Creta Prestige 2.0
Avaliação SUV da Hyundai
rosto de óculos escuros

Comentários