Oito carros com manutenção mais assustadora que sexta-feira 13

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção
Por Renan Bandeira
13.11.2020 às 22h:47 • Att. há 2 meses
Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

 Se tem uma superstição que assusta o brasileiro, é a sexta-feira 13, embora a gente saiba que isso não passa de uma lenda. O que assusta de verdade é quando você compra um carro e descobre que, na verdade, virou personagem de um filme de terror.

Aproveitando a data, a reportagem de Mobiauto listou modelos do mercado nacional - de um passado não tão distante - que fazem os donos serem amigos dos mecânicos ou então do gerente do banco. Confira:

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

Fiat Marea

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

O sedan médio da Fiat é uma lenda entre os lasanheiros e um dos maiores memes das redes sociais. Amado por uns e odiado por outros, o veículo foi lançado pela marca no Brasil em 1998 para suceder o Tempra - outro que ama uma oficina mecânica, principalmente na versão Turbo.

Quando surgiu no mercado nacional, tinha tudo para dar certo: a tecnologia era inovadora, enquanto o bom pacote de itens complementava o design do modelo, que era à frente de sua época.

No entanto, como aquela velha frase diz: o tiro saiu pela culatra. Ao que tudo indica, um erro no manual do proprietário trouxe a fama de “bomba” ao modelo. Lá era informado que a troca de fluído deveria ser feita a cada 20 mil quilômetros, igual ao modelo vendido na Europa.

Porém, alguém esqueceu que, por aqui, a gasolina contava com etanol em 22% de sua composição, o que aceleraria o processo de troca do componente. Dessa forma, a criação de borra, superaquecimento e incêndios foram inevitáveis.

Além disso, seu motor 2.0 cinco-cilindros de 182 cv de potência na roda era inovador, mas dificultava a manutenção em oficinas comuns, tendo de ser levado a concessionárias que ofereciam reparos a preços muito altos. 

Leia também: Onde o novo Nissan Versa ganha ou perde de Onix Plus e Virtus

Citröen C4 Pallas

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

Nem mesmo o conceito do volante de cubo fixo e aro móvel salvou o C4 Pallas da lista. O sedan era fabricado na Argentina e surgiu por aqui em 2007, mas teve passagem curta, deixando o mercado em 2013.

Por ser importado - mesmo que de pertinho -, suas peças e manutenções tinham valor elevado, o que já traz para o três-volumes os pré-requisitos para integrar esta lista. Mas não ficou só nisso, uma vez que há diversos relatos de problemas relacionados ao veículo.

Alguns deles são: superaquecimento do motor; retorno dos gases do tanque de combustível; queima da junta do cabeçote; trocas de componentes em períodos muito curtos - como a suspensão a cada 10.000 km ou a bateria anualmente.

Não suficiente, existem ainda problemas relacionados ao câmbio automático de quatro marchas AL4, que apresentava problema no solenóide, podendo gerar desengate de marchas de forma involuntária e até mesmo o seu travamento.

Por fim (ufa!), há relatos específicos sobre a bateria: além de ter que ser trocada muitas vezes num período de um ano, se a substituição ocorresse de forma incorreta, pode prejudicar a eletrônica do carro, deixando-o inoperante.

Leia também: Exclusivo: novo Tiggo 2 turbo será lançado em abril de 2021

Fiat Stilo

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

O hatch médio foi lançado no Brasil em 2002 para substituir o Brava. Por aqui, foi vendido durante oito anos e acumulou uma série de problemas enquanto esteve nas lojas. O modelo era equipado com motor GM 2.0, sendo um de 8V de 103 cv e outro de 16V 122 cv. Além disso, oferecia o Fivetech 2.4 20V cinco-cilindros de 167 cv.

Seus problemas estavam relacionados ao câmbio Dualogic e ao famoso teto Sky Window - aquele que tinha diversas lâminas de vidro e era acionado de forma gradual, lâmina por lâmina.

Os relatos são de que o sistema desalinha as lâminas e sua manutenção tem valor exorbitante. Já o câmbio automatizado de uma embreagem funciona por meio de um sistema eletromecânico para acionamento e pode travar, desengatar marchas ou nem mesmo engatar, além de gerar solavancos na troca.

Chevrolet Captiva V6

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

Grande parte dos problemas da Captiva está diretamente relacionada ao câmbio automático que vem acoplado ao motor V6 do SUV, importado do México.

Proprietários relatam que a caixa pode exigir retífica ou troca do módulo que gerencia as mudanças de marcha. Arrumar tudo isso não sai nada barato, e a troca de todo o sistema de transmissão pode custar mais de R$ 15.000.

Outro problema apresentado é no módulo de controle do motor, que apresentava falhas e poderia ocasionar o desligamento espontâneo do propulsor. Além disso, há relatos sobre a perda de pressão precoce dos amortecedores do SUV.

Leia também: 19 carros elétricos e híbridos que devem chegar ao Brasil em 2021

Peugeot 307

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

Assim como no C4 Pallas, o principal problema do 307 está relacionado ao câmbio AL4. Não só ele, mas todos os veículos de Peugeot e Citroën que foram equipados com essa caixa sofreram com questões crônicas.

Relatos indicam que travamento ou trocas espontâneas de marchas não são raras, e que a resolução não é nada barata. Mesmo que as falhas tenham acontecido em uma grande escala de produtos, não houve abertura de recall, deixando o defeito nas mãos dos proprietários.

Outro problema é o aquecimento do motor - relacionado a uma “fuga” de água do reservatório destinado ao arrefecimento dessa parte -, além da queima da junta do reservatório e de defeitos nas mangueiras.

Além disso, há reclamações sobre a necessidade de troca anual dos coxins que apoiam a parte inferior e lateral do motor, assim como da troca da bateria no mesmo período.

Mercedes-Benz Classe A

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

Segundo proprietários, ser dono de um Mercedes-Benz Classe A de primeira geração, aquela minivan produzida no Brasil de 1999 a 2005, é quase a mesma coisa que casar com um veículo. O motivo: manutenção e peças caríssimas.

O hatch da Mercedes era uma estratégia da marca para oferecer um veículo mais popular, mesmo enquanto seguia com o nicho premium. Mas os preços das peças e revisões não eram compatíveis com a proposta.

O modelo ainda sofre com a possibilidade de queima da bobina de ignição, de quebra dos coxins do motor, de mau contato interno no interruptor da luz de freio e de falhas no sistema de ar-condicionado.

Para finalizar, proprietários alertam sobre problemas de câmbio e direcionam novos interessados a comprarem versões manuais, já que as configurações automática e a automatizada possuem manutenções com preços elevados, algo padrão em modelos premium.

Leia também: Chevrolet Tracker: o que o SUV mais vendido traz a R$ 120 mil?

VW Golf GTi

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

Ícone mundial, o Golf GTi entra nessa lista devido ao câmbio DSG. Relatos de proprietários em grupos do modelo mostram manutenções com valores exorbitantes (às vezes chegando perto de R$ 50 mil!), por conta da caixa de dupla embreagem oferecida pela Volkswagen no hatch médio.

Claro que a transmissão tem sua legião de fãs, mas alguns proprietários avaliam o problema como crônico. 

O Golf é um dos modelos mais vendidos de toda a história da marca alemã e teve suas últimas unidades presentes no Brasil vendidas na última semana, com o estoque da versão GTE comprada por uma locadora. Isso decretou o fim de linha para o hatch aqui no Brasil - pelo menos por enquanto.

Ford Focus

Estes veículos deixam os donos em pânico pela quantidade de problemas que apresentam e/ou pelo custo de uma simples manutenção

O Focus foi um dos principais concorrentes do Golf no mercado nacional e não pôde ficar de fora desta lista. Assim como no hatch alemão, o problema é mecânico e está concentrado no câmbio de dupla embreagem, o já conhecido Powershift.

A transmissão equipou outros modelos da marca, como o Fiesta e o EcoSport, que também já saíram de linha ou trocaram o sistema. Proprietários costumam apontar situações crônicas de trepidação do veículo em baixas rotações, além do fato de a embreagem patinar na hora do engate.

Não só isso: ainda falam sobre o câmbio voltar para ponto morto de forma involuntária e sobre o superaquecimento do conjunto, que chega a emitir um alerta no painel do veículo.

Todos esses defeitos levaram a Ford a estender de três para dez anos a garantia do câmbio, após muita pressão de órgãos de defesa do consumidor como o Procon. Só que nunca chegou a formalizar um recall a respeito.

[video]

Talvez você também se interesse por:

Seis picapes que serão lançadas no Brasil em 2021
22 SUVs que serão lançados no Brasil em 2021
13 sedans e hatches que serão lançados no Brasil em 2021

sexta-feira 13Carros polêmicosCarros-bombamanutenção
Comentários