Ford desmancha carros e fábricas, e pode deixar 120 mil desempregados

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país
Por Renan Bandeira
08.03.2021 às 21h:03 • Att. há cerca de 1 mês
Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

A saída da Ford enquanto fabricante no Brasil ganhou capítulos ainda mais melancólicos. Dois meses depois do comunicado em que declarava o fim da produção de veículos por aqui, a empresa americana parece ter acelerado as providências para consolidar o fechamento de suas fábricas.

Na última semana, um vídeo viralizado nas redes sociais mostrou filas de carrocerias hatch do Ka e do SUV EcoSport com montagem inacabada esperando o momento de serem destruídas no complexo de Camaçari (BA). Essas imagens são as primeiras a ilustrar o fim de 100 de história da montadora no país.

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

É comum que as fabricantes compactem os veículos com defeito de fabricação e os vendam como sucata. Neste caso, porém, nem mesmo partes removíveis como portas laterais, porta-malas e capô, que poderiam ser reaproveitadas para alimentar o mercado de reposição, foram poupados.

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Em um ambiente no qual a indústria tem sofrido com a falta de insumos como, por exemplo, aço e plástico, a empresa pode estar aproveitando a escassez de matéria-prima para gerar valor oferecendo materiais das carcaças inutilizadas para reciclagem.

Leia também: Entenda por que já era hora de a Ford deixar o Brasil

Vale lembrar que as unidades de Taubaté (SP) e Camaçari (BA) voltaram a produzir no último mês, após a Ford negociar com os sindicatos regionais um retorno para fabricação de peças de reposição, em cumprimento a um acordo com o Procon sobre o suprimento de componentes “por um prazo razoável”.

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Originalmente, Camaçari era responsável por fabricar a família Ka, o EcoSport e motores. Já Taubaté era dedicada exclusivamente a propulsores e transmissões manuais. 

Tão logo a produção acabe, ambas devem seguir os passos do complexo de São Bernardo do Campo (SP), fechado em 2019 e que já foi vendido para uma construtora da região. Em breve, deve virar um condomínio comercial com uma série de galpões. 

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

O processo de desmontagem dos maquinários do complexo do ABC Paulista, aliás, começou em março de 2020 e deve chegar ao fim em maio deste ano, deixando a área totalmente liberada, segundo trabalhadores do local consultados por nossa reportagem.

Leia também: Por que vender carro popular se tornou um pesadelo no Brasil

Na semana passada, o Primeira Marcha já havia informado que as placas com logotipo Ford estavam sendo retiradas das portarias. Fomos até o local na manhã desta segunda-feira (8) e confirmamos que praticamente já não há mais referência à marca do oval azul no local. 

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Inclusive, está difícil até reconhecer as portarias, devido ao nível do abandono e do matagal que toma boa parte do espaço. As únicas partes que ainda remetem à Ford são os portões pintados de azul e branco, os cones e algumas paredes que ainda têm assinatura da marca, além da imensa placa próxima à antiga Portaria 2.

Leia também: Carros mais vendidos de janeiro: Ford já vende menos que Fiat Strada

Esta última só não foi retirada ainda porque o processo é complexo e demanda o uso de um guindaste. Por isso, teria de ser feito durante a madrugada, mas como o estado de SP decretou lockdown e toque de recolher nos períodos noturnos, o procedimento foi adiado.

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Fechamento e consequências

O anúncio do fechamento das fábricas aconteceu em 11 janeiro deste ano e pegou todos de surpresa, principalmente com o comunicado de que a família Ford Ka, composta por hatch e sedan compactos, e o SUV compacto EcoSport deixariam de ser produzidos com efeito imediato.

A empresa também abandonou três novos projetos, sendo eles, a nova geração do EcoSport, um inédito SUV cupê - que se chamaria Maya - e a reestilização do SUV Territory. Além disso, a fábrica de Horizonte (CE), onde são fabricados os Troller, seguirá em operação até o final do ano e fechará se não for encontrado um comprador para ela.

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Leia também: Ford assina termo com Procon para garantir peças a donos de Ka e EcoSport

As organizações sindicais até tentaram uma negociação direta com executivos da matriz da marca americana, no fim de fevereiro, na tentativa de dissuadi-los do plano de abandonar a operação fabril no Brasil. Não tiveram sucesso e a empresa manteve a decisão.

Enquanto Camaçari esmaga carcaças inacabadas de Ka e EcoSport, resquícios da marca no ABC são apagados. Estudo do Dieese aponta impacto alarmante da saída da fabricante do país

Com isso, 5 mil trabalhadores diretos serão demitidos entre as unidades de Camaçari, Taubaté e Horizonte. 

Segundo o Dieese, além desse número, serão “impactados trabalhadores das sistemistas, das terceirizadas e de toda a cadeia produtiva", o que significa uma “perda potencial de mais de 118.864 mil postos de trabalho, somando diretos, indiretos e induzidos.”

Você também pode se interessar por:

Caoa Chery Exeed LX, SUV de luxo chinês contra Audi, BMW e Mercedes
Indústria monta carros incompletos e busca peças de avião para não parar
Fiat Strada Freedom fica mais equipada, mas espera por uma é de 5 meses
Corolla Cross híbrido vai vender mais que sedan com mesmo motor


Fábricas FordCarros FordFord KaFord EcoSportFord sai do BrasilFordFord destrói carrosFord desmonta fábricas

Comentários