Chevrolet Onix e Onix Plus: os principais problemas, segundo os donos

Falhas no sistema de freio, incêndio, apagão do motor, pintura frágil. Veja as principais reclamações, que também englobam Joy e Prisma
Por Renan Bandeira
23.02.2021 às 22h:04 • Att. há cerca de 2 meses
Falhas no sistema de freio, incêndio, apagão do motor, pintura frágil. Veja as principais reclamações, que também englobam Joy e Prisma

O Chevrolet Onix é o veículo mais vendido do Brasil desde 2015, quando tomou a ponta do ranking de emplacamentos do Volkswagen Gol, segundo dados da Fenabrave (associação nacional de concessionárias). 

O modelo foi lançado em 2012 e logo assumiu os lugares de Celta, Corsa e Agile, atuando ao mesmo tempo como carro de entrada e hatch compacto com pegada mais premium da marca, tudo em um modelo só. 

Um ano depois de sua chegada, ganhou o sedan correspondente Prisma, que abandonava as linhas de design e a plataforma do Corsa II para adotar as do novo hatch na época.

Confira o valor do seu carro na Tabela Fipe

Ambos os modelos foram reestilizados em 2016 e, três anos depois, veio a atual geração. Nela, o Onix ganhou ar premium e novos motores 1.0 três-cilindros turboflex de 116 cv, que também move o (nem tão) novato Onix Plus. Este chegou como novo três-volumes compacto da fabricante, em substituição ao Prisma.

A antiga geração foi mantida no mercado como opção de entrada, e o Onix reestilizado de primeira geração se tornou Joy, enquanto o Prisma passou a responder por Joy Plus

Falhas no sistema de freio, incêndio, apagão do motor, pintura frágil. Veja as principais reclamações, que também englobam Joy e Prisma

Os veículos mantiveram o motor 1.0 quatro-cilindros aspirado flex da família SPE/4, de 78/80 cv (gasolina/etanol). Já as versões de entrada dos atuais Onix e Onix Plus utilizam o 1.0 três-cilindros da mesma família do turbo, a CSS Prime, que rende 78/82 cv na configuração naturalmente aspirada.

A Mobiauto reuniu as principais falhas apontadas por proprietários de Onix, seja de primeira ou segunda geração, bem como dos “agregados” Onix Plus, Prisma, Joy e Joy Plus, para ajudar os interessados em um deles a antecipar seus possíveis defeitos.

Leia também: Hyundai HB20: os principais problemas, segundo os donos

Vale lembrar que a primeira geração do Onix e a segunda do Prisma possuem reclamações que não implicam na segurança dos usuários. Já a atual tem retrospecto mais complicado, que inclui um famoso recall por risco de incêndio. No entanto, ao que parece, esse problema específico já foi sanado.

Dessa forma, seja no mercado de usados ou de novos, os veículos seguem como boas opções de compra, principalmente pela liquidez na revenda e pela capilaridade da rede Chevrolet, mas é importante antecipar possíveis dores de cabeça. Eis algumas:

Ar-condicionado

Problemas relacionados ao ar-condicionado são relatados desde a primeira geração. Donos de Onix e Prisma vendidos entre 2012 e 2019 afirmam, em fóruns e grupos nas redes sociais, que o sistema é ineficiente e não tem capacidade para gelar todo o carro - quando não pára devido a falhas no compressor.

A nova família Onix não escapa do descontentamento. Grande parte das denúncias se refere à falta de filtro no ar-condicionado, que é contestada a todo momento devido ao valor cobrado pelo veículo. 

Há alguns casos - mais isolados - de pane total no funcionamento do sistema, bem como de barulhos de vazamento de gás, que podem ser percebidos de dentro da cabine.

Relatos: Caso 1, Caso 2, Caso 3 e Caso 4

Leia também: Fiat Argo: os principais problemas, segundo os donos

Barulho interno

Falhas no sistema de freio, incêndio, apagão do motor, pintura frágil. Veja as principais reclamações, que também englobam Joy e Prisma

Carros de entrada costumam ser alvo de reclamações quanto ao barulho interno, que na maioria dos casos se deve ao excesso de plástico rígido no acabamento. Onix e Prisma sofrem dessa característica, naturalmente herdada por Joy e Joy Plus. Os ruídos mais frequentes, segundo os proprietários, vêm do painel, do forro de portas e da estrutura que apoia o volante.

Atualmente, há registros no site do Reclame Aqui dos famosos “grilos” internos, tanto no hatch como no sedan. Mesmo com a troca de geração, no fim de 2019, o acabamento dos novos Onix e Onix Plus não deixou de vir recheado com plástico duro. Assim, continua a ranger constantemente e a incomodar usuários.

Relatos: Caso 1, Caso 2 e Caso 3

Leia também: VW Polo e Virtus: os principais problemas, segundo os donos

Pintura defeituosa

Quem acompanha o site da Mobiauto já viu que um dos problemas mais citados no Hyundai HB20 - principal concorrente do Onix - é a pintura, tida como frágil. A do compacto da Chevrolet também é acusada de fragilidade por seus proprietários, mas em aspectos diferentes.

No caso do Hyundai, há reclamações de marcas na pintura após viagens. Já os donos de Onix reclamam de manchas e até bolhas em unidades zero-quilômetro recém saídas da loja. Isso já acontecia na primeira geração e persiste na atual.

De acordo com os donos, a orientação da rede é que o veículo tem de ser repintado na área danificada. No entanto, não há a oferta de carro substituto enquanto o serviço é realizado e nem a garantia de que a repintura não trará desvalorização futura, já que carros repintados perdem valor no mercado de seminovos e usados.

Relatos: Caso 1, Caso 2 e Caso 3

Leia também: Ford firma acordo para retomar produção em Taubaté

Freios

Falhas no sistema de freio, incêndio, apagão do motor, pintura frágil. Veja as principais reclamações, que também englobam Joy e Prisma

Três problemas em relação ao sistema de freios são recorrentes: estalos, endurecimento do pedal e desgaste precoce, a depender da geração e do ano-modelo.

O endurecimento do pedal é uma característica da primeira geração do Onix. A culpa seria do servofreio, que é menor do que o necessário para servir ao sistema. Em alguns momentos, deixa o pedal mais rígido - como se o veículo estivesse desligado -, cobrando maiores esforços do condutor para fazer a frenagem.

O desgaste prematuro das pastilhas de freio pode ser visto tanto em unidades tanto da plataforma anterior quanto da atual. Por vezes, demanda troca com apenas 15 mil km rodados, sendo que a média fica entre 20 mil e 25 mil km.

Já os estalos estão presentes na nova geração e acontecem durante a frenagem, assustando os condutores por parecer que o pedal de freio está quebrando.

Relatos: Caso 1, Caso 2, Caso 3, Caso 4 e Caso 5

Leia também: Toyota Corolla Cross: como será a série de lançamento por quase R$ 200 mil

Apagões do motor

Esse problema está concentrado apenas na primeira geração do Onix hatch (e segunda do Prisma), que utilizava motores 1.0 e 1.4 SPE/4. Segundo relatos, o hatch pode apagar a qualquer momento da condução, sem nenhum aviso prévio. 

O condutor sente que pedais e volante ficam mais pesados, as portas destravam e o não há mais controle do veículo. Depois de alguns segundos, o propulsor volta a funcionar como se tivesse tomado um tranco, e as funcionalidades do carro retornam ao normal.

Relatos: Caso 1, Caso 2 e Caso 3

Fogo no novato

Falhas no sistema de freio, incêndio, apagão do motor, pintura frágil. Veja as principais reclamações, que também englobam Joy e Prisma

Logo que estreou no mercado, no fim de 2019, para substituir o Prisma, o Onix Plus enfrentou uma crise que abalou sua reputação no mercado. Projeto de origem chinesa, o sedan apresentou dois casos de incêndio em municípios do Piauí, na região Nordeste do país. 

Leia também: Novo Honda HR-V é mistura de Caoa Chery com Strada e Nivus

Na época, eu e Leonardo Felix, que é agora editor da Mobiauto, estávamos na Quatro Rodas e contribuímos para a descoberta do problema e pressão para oficialização do recall das unidades que já haviam sido comercializadas.

O problema é que a unidade, sob determinadas condições de pressão e temperatura, apresentava pré-ignição e dessincronização de trabalho, que gerava quebra do bloco do motor e vazamento de óleo, gerando então o fogo.

Os esforços tiveram um final feliz, com a GM recolhendo os veículos para resolver o problema e recalibrando o módulo de controle do motor, que, segundo ela, era o causador das falhas de sincronização de trabalho.

Recalls

Antes de comprar qualquer veículo, é importante avaliar o histórico de manutenção e recalls. No caso da família Onix, o número de chamados é elevado e pode ser encontrado no site da montadora - basta clicar aqui para acessar

Confira as peças problemáticas que ocasionaram o chamado de Onix, Onix Plus e Prisma ao longo dos anos:

- Cinto de segurança dos Prisma 2015 e 2016;

- Filtro de combustível de Onix e Prisma 2014 e 2015;

- Mecanismo reclinador do encosto do banco dianteiro de Onix e Prisma 2013;

- Porca de fixação da bomba de combustível de Onix e Prisma 2013 e 2014;

- Pedal de freio de Onix e Prisma 2013;

- Relé da caixa de fusível de Onix e Prisma 2017, 2018 e 2019;

- Caixa de fusível de Onix e Prisma 2017, 2018 e 2019;

- Módulo de controle do motor Onix Plus 2020.

Você também pode se interessar:

Avaliação: carro elétrico mais vendido no Brasil é enorme e sem retrovisor
Novo Audi A4 chega em três versões. Veja preços e itens
Audi e-tron GT é mais forte que um R8, mas tem inveja do ronco do V10
Você já pode assinar um Audi como se fosse Netflix ou Spotify


Problemas do OnixReclamações do OnixChevrolet OnixChevrolet Onix PlusChevrolet PrismaOnix primeira geraçãoOnix segunda geração

Comentários